31/05/2020

Bukhara: um caldeirão de culturas, etnias e religiões

Ao ter seu centro histórico tombado pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade,
Bukhara, no Uzbequistão, foi descrita como o exemplo mais completo e preservado de layout e edificações urbanas medievais na Ásia Central. Foi ressaltada, ainda, sua importância histórica como oásis da famosa Rota da Seda e como o maior centro de teologia muçulmana, principalmente de Sufismo, entre os séculos 9 e 16. Para completar, embora isso não conste do rol de qualidades que justificaram o título, não se pode esquecer que Buhkara está no imaginário de quem leu e se encantou com as histórias narradas no Livro das Mil e Uma Noites

Tão diversa quanto as descrições, é sua formação étnica e cultural. Tida como um dos principais
pontos de descanso da rota da seda, por estar localizada à beira de dois desertos - Kara Kum ou Areias Negras e Kyzyl Kum ou Areias Vermelhas) - e próxima à uma importante região agrícola, Bukhara foi povoada inicialmente pelos persas, mas era cobiçada por vários povos e acabou invadida por líderes lendários como o mongol Gengis Khan, que destruiu a cidade no século 13, e o turcomano Tamerlão, que a governou no século 15. Há quem afirme que, no século 4 antes de Cristo, a cidade tinha sido dominada durante certo período por Alexandre, o Grande, mas a informação é polêmica. 

Embora sem governantes tão famosos, os árabes foram os conquistadores que deixaram maiores marcas em Bukhara. Após sua conquista, no comecinho do século 8, instalou-se no local um importante centro cultural e religioso que atraia intelectuais, estudantes e religiosos de todo o mundo muçulmano. Cerca de dois séculos depois, a cidade foi escolhida pelo emir persa Ismail Ibn Amad como capital do Reino
Samanid Independente*. Nessa época, nasceu e viveu ali, o médico e filósofo persa Ibn Sina - conhecido no ocidente como Avicena. A expansão prosseguiu até a invasão mongol e foi retomada com a invasão dos turcomanos, também de religião islâmica.

O pico da prosperidade foi atingido no século 16, sob o domínio de Khan Sheibani, que instalou ali  sede de um império conhecido como Khanato de Bukhara. É dessa época a maior parte dos monumentos históricos como o complexo Poi-Kalyan, composto pela mesquita de Kalyan, seu minarete homônimo, e pela madrassa Mir-i Arab. 

É também desse período, a praça Lyabi-Khauz (perto da lagoa , em Persa**) que reúne antigas
madrassas e atuais cafés em volta de uma das poucas lagoas artificiais restantes entre as muitas que já existiam na cidade e compunham seu sistema de abastecimento hídrico. Nas margens, encontram-se amoreiras - espécie presente também em outros pontos da cidade -  e uma escultura de Nasrudin Hodja - conhecido personagem sufi de histórias de ensinamento, originário do folclore turco, que, aqui no Brasil, costuma ser comparado a Pedro Malasartes

A última grande conquista e ocorreu em 1924, quando Bukhara e Samarcanda foram anexadas à República Socialista Soviética do Uzbequistão, dentro da hoje extinta União Soviética, tornando-se socialista, e permaneceu assim por mais de 60 anos até sua independência, em 1991, possibilitada pela dissolução do bloco.

A diversidade de religiões

Toda essa mescla ocorreu também no campo religioso. Com os persas pré-islâmicos, Bukhara conheceu o Zoroastrismo. Com os mesmos persas, a cidade teria abrigado o culto à deusa Anahita, ou Anaíta, tida como divindade das águas, associada à fertilidade, à sabedoria e à cura. 

Bukhara teria sido também lugar de refúgio dos adeptos de religiões perseguidas pelos Sansânidas como Maniqueísmo e Cristianismo Nestoriano. Moedas e cruzes desse período, encontradas na cidade, indicariam que, nessa época, a religião oficial da casta dominante pode ter sido o Cristianismo.  Com os árabes, veio o Islamismo, interrompido oficialmente, em 1924, com a anexação à União Soviética, mas mantido como religião
dominante até hoje, ao lado de uma minoria de cristãos ortodoxos, católicos e outros pequenos grupos.

A diversidade de religiões pode estar expressa na madrassa de Chor Minor, cujo nome significa quatro torres e que ficou conhecida por suas cúpulas azuis. Conta-se, na cidade, que essas torres foram erguidas para representar as quatro religiões conhecidas em Bukhara na época de sua construção: Islamismo, Cristianismo, Zoroastrismo e Budismo. Não há documentos que comprovem essa afirmação, mas cada uma das torres tem uma decoração diferente, e acredita-se que os motivos usados são alusivos a cada uma dessas crenças.

Bukhara e suas lendas


Embora a imagem literária de Bukhara tenha chegado a nós, aqui no Ocidente, por meio do Livro das Mil e Uma Noites, é o épico iraniano Shahnameh, ou Épica dos Reis, - escrito pelo poeta Ferdowsi entre os séculos 10 e 11 - que narra a origem lendária da cidade. Segundo o poeta, o fundador de Bukhara teria sido Siavash - filho de um mítico rei iraniano da dinastia Pishdak. Acusado de tentar seduzir e violar a própria madrasta, Siavash deixou o Iran e acabou se casando com a filha do rei Afrasiab, de
Samarcanda, de quem ganhou as terras do oásis de Bukhara. Alí construiu a fortaleza de Arca ou Arq (nome persa para cidadela) e, a sua volta, a cidade de Bukhara. Parte da cidadela ainda existe e está entre os monumentos mais visitados da cidade. Já foi usada como sede do governo, palácio do Emir, mesquita e até como cárcere. Atualmente, abriga uma mesquita e um pequeno museu. 

Outro monumento envolvido em lenda é o minarete Kalyan, construido em 1127 pelo governante Qarakhanid Mohammad Arslan Khan e transformado no maior ícone de Bukhara não apenas por sua altura, superior a 45 metros e com mais de cem degraus, mas também por ter sido a única construção que sobreviveu à invasão de Gegis Khan. Conta-se que, ao deparar-se com o minarete, o líder mongol se curvou, pensando ter visto Deus e ordenou que o poupassem. Outro monumento que escapou da fúria de Gengis Khan foi o Maosoleu de Ismail Samanid, do século 10 - que mistura traços arquitetônicos do Zoroastrismo e do Islamismo - mas, nesse, caso, não por benevolência, e sim porque, na época da invasão, o prédio estava soterrado na lama, após várias inundações.


Bukhara - Uzbequistão - Ásia Central


Texto: Sylvia Leite
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 
    Fotos:  
    (1) Adam Jones from Kelowna, BC, Canada
    (2) Marco Torrazzina /Pixabay
    (3) Mario J. Schwaiger -  CC BY-SA 4.0
    (4 e 5) LoggaWiggler/ Pixabay 
    (6) Anatoly Terentiev, Domínio Público 

    Referências:

    -----------------------------------------------------
    Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.

    Para ler sobre outros lugares de memória, clique nos links abaixo:

    10 comentários:

    1. Excelente matéria. Instiga a vontade de estar no lugar.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Que bom que gostou. Da próxima vez, por favor se identifique.

        Excluir
    2. Que texto magnífico, Sylvinha! Um deleite a leitura e as fotos.
      Bjs,
      Val Cantanhede

      ResponderExcluir
    3. Obrigada Silvya Leite por destacar a belíssima Bukhara. Cidade de tanta historia, arquitetura magnífica e mescla de religiões e sabedoria.

      ResponderExcluir
    4. Valeu pelo texto, Sylvinha! Eu tenho especial interesse no Uzbequistão e seu texto contribuiu muito para o meu conhecimento. Super obrigada.
      sonia pedrosa

      ResponderExcluir
    5. Excelente matéria, viajei, curtir é voltei.

      ResponderExcluir

    Obrigada por seu interesse em nossa postagem!