16/05/2019

Lajedo de Pai Mateus: esculturas naturais que viraram cenário cinematográfico

Foto Gustavo Moura - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAQuem algum dia sonhou em visitar outro planeta, ou satélite, pode satisfazer esse desejo aqui mesmo
no Brasil, mais especificamente na Paraíba, a cerca de 200 km da capital, João Pessoa. O lugar para isso é o Lajedo de Pai Mateus, uma formação rochosa de 1,5 km de extensão, localizada no município de Cabaceiras, sobre a qual estão dispostas mais de cem pedras gigantes.

Foto Gustavo Moura - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
A famosa Pedra Capacete
O silêncio, a aridez da paisagem rochosa e a aparência das pedras  - que pesam  até 45 toneladas, mas algumas parecem voar - nos fazem imaginar que chegamos a um povoado lunar ou entramos em
outra dimensão. Olhando por um ângulo mais racional, poderíamos comparar algumas pedras - com suas aberturas na parte inferior - a habitações pré-históricas ou, ainda, imaginar que são obra de um escultor visionário.

Foto Sylvia Leite - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAPara desfrutar dessa maravilha, é preciso subir o lajedo a pé, mas o esforço compensa. Já na escalada, as pedras vão surgindo e aguçando a imaginação, numa brincadeira como aquela de interpretar a forma das nuvens. Tem pedras que parecem abóboras, outra que lembra um prato de sopa emborcado e a mais famosa delas é a cópia de um capacete.

A sensação, ao chegar lá em cima, é de completude, embora, no local, não haja nada além de pedras, algumas poças formadas pela chuva e um céu azul de doer que vai mudando de cor no fim da tarde, quando o sol começa a cair e projeta raios dourados sobre as pedras. 

Ao perambular pela paisagem, descobrimos que, em alguns pontos, há inscrições rupestres atribuídas aos índios Cariris. Não são as mais definidas nem as mais bonitas que já se viu, mas diante de tanto deslumbramento, ninguém se importa com isso.

Foto Sylvia Leite - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA

A Lenda do Lajedo de Pai Mateus


Embora o lajedo reúna cerca de cem pedras, uma parece atrair mais os visitantes. Motivo: segundo os guias, foi o local de moradia do Pai Mateus - a figura lendária que acabou dando nome ao lugar. Era uma espécie de eremita que teria vivido ali em algum período do século 18, e acredita-se que curava as pessoas com ervas medicinais.

Foto Sylvia Leite - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIADe acordo com a lenda, que alguns dizem ser baseada em um fato histórico, Pai Mateus não cobrava nada pelas curas e quando alguém queria presenteá-lo, aceitava apenas comida.

Essa pedra onde teria vivido o Pai Mateus tem a forma de uma cumbuca invertida, com uma abertura semelhante às encontradas em cavernas. Lá dentro existe uma espécie de banco, que teria sido feito e usado como cama pelo eremita.

O segredo do lajedo


Foto Sylvia Leite - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
A provável morada do Pai Mateus
A pergunta que qualquer um faz ao visitar o Lajedo de Pai Mateus é como aquilo tudo teria se formado. A resposta vem da Geografia: a paisagem foi construída pela erosão. As pedras, que são chamadas pelos especialistas de matacões, teriam mais de 5 milhões de anos, mas só começaram a ficar visíveis na medida em que a água, o vento e outros fenômenos geográficos foram desgastando as camadas por baixo das quais elas se escondiam. O trabalho contínuo da erosão seria também o responsável pelo  arredondamento das pedras.

Seria ingenuidade pensar que isso ocorreu apenas no Brasil. Em outras partes do mundo existem outros lugares com características semelhantes, como é o caso de Hoogar, na Argélia; Devils Marbles, na Austrália; Erongo Mountains, na Namíbia; e Parque Nacional dos Arcos, nos Estados Unidos, mas cada um deles tem sua própria configuração e aparência, o que faz com que o Lajedo de Pai Mateus continue sendo único.

Um cenário de cinema

Foto Sylvia Leite - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
Banco de pedra na provável morada do Pai Mateus

A beleza e a raridade das pedras já seriam atributos suficientes para definirmos o Lajedo de Pai Mateus com aquele "lugar comum" que costumamos usar quando ficamos encantados com alguma coisa: "é de cinema!" Mas desta vez a frase não é metafórica. Tanto o lajedo como a sede do município onde as pedras estão localizadas são cenários cinematográficos de verdade. 

Essa vocação começou a se concretizar na década de 1920, quando Cabaceiras foi cenário de "Ferração dos Bodes", de Antônio Carrancas, e de "Sob o Céu Nordestino", de Walfrido Rodriguez - uma espécie de portfólio da Paraíba  que teria o objetivo de apresentar a beleza e o potencial do Nordeste ao resto do país.

Foto Sylvia Leite - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIADepois disso, as filmagens não pararam, mas foi preciso esperar algumas décadas até que Cabaceiras se firmasse definitivamente como cenário cinematográfico.

Foto Sylvia Leite - Matéria Lajedo de Pai Mateus - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAIsso ocorreu a partir da adaptação para o cinema da peça o Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, pelo diretor Guel Arraes. A partir daí, as produções se multiplicaram e até 2012 já eram mais de 30, incluindo o premiado Cinema, aspirinas e urubus, de Marcelo Gomes  e São Jerônimo, de Júlio Bressane, os filmes que utilizaram cabaceiras como locação. Além disso, vieram mini-series e novelas e, atras delas, o turismo.

Além da beleza natural do  Lajedo de São Mateus e dos casarios coloridos da cidade que a Prefeitura ajuda os proprietários a preservar,  foram determinantes para a escolha dos diretores a intensa luminosidade e o baixo índice pluviométrico da região - características que até então eram vistas como desvantagens por atrapalharem a Agricultura.

Por tudo que já foi rodado ali, Cabaceiras e seu Lajedo mereciam ter um slogan que lhe desse autonomia e reconhecimento como polo cinematográfico. Mas talvez por achar que a citação de um lugar famoso lhe traria maior divulgação, preferiram parodiar algo que já existe e que não é nosso. E, assim, a placa de boas vindas à cidade apresenta, com um certo deboche e um forte sotaque local, a sua nova marca: Roliúde Nordestina. 

Lajedo do Pai Mateus - Cabaceiras - Planalto de Borborema - Cariris Velhos - Paraíba


Texto: Sylvia Leite
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 
    Fotos: 

    ( 1, 2 ) : Gustavo Moura  Site do Fotógrafo / Site Paraíba criativa
    (3,4,5,6, 7 e 8): Sylvia Leite

    Para realizar esta matéria, o blog 'lugares de memória' contou com:

    1- A importante participação do fotógrafo Gustavo Moura.

    2- O apoio institucional da Universidade Federal da Paraíba - UFPB/ PRAC/COEX.


    -----------------------------------------------------
    Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.


    Para ler sobre outros lugares de memória, clique nos links abaixo:

    10 comentários:

    1. Não conheço pessoalmente. Lindo.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada pelo comentário. Da próxima vez deixe seu nome, ok? Abraço!

        Excluir
    2. Que legal, Sylvinha! Adorei saber disso... muito interessante, mesmo!

      ResponderExcluir
    3. Muito interessante, não conheço.Reconheci o local pelos filmes. Lindo lugar.

      ResponderExcluir
    4. Que cenário incrivel dessa nossa roliude nordestina, Sylvinha!
      Ainda não a conheço, a não ser por esses filmes, mas vou colocar no próximo roteiro de viagem pela nossa região.
      Abraços
      Val Cantanhede

      ResponderExcluir
    5. Respostas
      1. Que bom, Hil! Feliz por ter você como leitora assídua. beijo.

        Excluir

    Obrigada por seu interesse em nossa postagem!