28/03/2019

Redenção: lugar de integração afro-brasileira


BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia Leite
BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia LeiteO atual município de Redenção, no interior do Ceará, foi o primeiro no país a abolir oficialmente a escravatura, cerca de cinco anos antes da decretação da Lei Áurea. Apenas isso já seria suficiente para despertar alguma curiosidade sobre o lugar, mas foi também ali que se instalou, em 2010, a Universidade da Integração da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab) - um centro educacional público e federal voltado para  a cooperação internacional solidária com os países de língua Portuguesa, especialmente os africanos 
(conhecidos como PALOP) visando, entre outros objetivos, uma reparação histórica.

Desde a chegada da Unilab, a  pequena cidade - que na época tinha pouco mais de 26 mil habitantes* - recebe anualmente  estudantes de diversos estados brasileiros e de países africanos como Angola, Cabo VerdeGuiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe e os asiáticos Timor Leste e Macau. Os novos moradores, nos quais se incluem, também, grande parte dos professores da Universidade, são agentes de mudanças que vão desde o aquecimento do comércio e do mercado imobiliário até o aumento da escolaridade na região, a busca de soluções inovadoras para o desenvolvimento sustentável e novos entendimentos dos fatos históricos.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia Leite
Unilab: integração e sustentabilidade


Por ser uma instituição comprometida com essa integração internacional, a Unilab está voltada para a formação de profissionais e cidadãos capazes de atender às necessidades e interesses mútuos dos países envolvidos, priorizando cursos nas áreas de desenvolvimento agrário, processos de gestão e saúde pública, engenharia e licenciaturas.  

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia LeiteO ensino das diversas especialidades têm como principal foco a busca de soluções inovadoras  e sustentáveis. No Campus das Auroras,- um dos três que compõem a Unilab em Redenção* -, esse compromisso está representado pela escultura Árvore Solar - símbolo do Projeto Prioritário de Eficiência Energética e Estretégico de P&D que foi selecionado em uma chamada pública da Aneel e é responsável por uma economia de energia elétrica de 640 MWh/ano. 

A Árvore Solar tem 11 metros de altura e 10 painéis fotovoltaicos instalados em suas folhas. Foi construída com o propósito de divulgar o projeto, aguçando a curiosidade e disseminando o conceito de energia limpa e sustentável, mas  também contribui para o fornecimento de energia e serve como minilaboratório aos estudantes do curso de engenharia de energias. 

Além do foco no desenvolvimento sustentável e nos interesses mútuos dos países de língua portuguesa, a Unilab tem uma preocupação permanente com as questões sociais, especialmente o preconceito racial e a interpretação da escravatura e da Abolição no Brasil. Esses temas estão no foco de inúmeras pesquisas cujos resultados têm provocado intensos debates, não apenas sobre os acontecimentos históricos do Ceará, mas também sobre a maneira como os negros, africanos ou não, são tratados pela sociedade.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia LeiteEm uma dessas pesquisas, por exemplo, constatou-se que pelo menos parte dos moradores de Redenção mantêm uma visão preconceituosa em relação aos estudantes africanos e a seus países de origem. Até mesmo funcionários da Unilab, segundo esse levantamento, tratariam de modo diferente estudantes brasileiros e africanos - o que parece surpreendente para uma cidade que demonstra orgulhar-se de ter se antecipado à Lei Áurea.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia Leite Redenção: entre a história e suas versões 


A libertação dos escravos na região ocorreu em janeiro de 1883, quando Redenção ainda fazia parte da Vila de Acarape - hoje município vizinho - que pertencia à província de Baturité. Pouco mais de um ano depois, foi a vez do estado fazer a sua parte. Assim, não só Redenção, mas todo o Ceará, anteciparam-se à Lei Áurea, de 1888 e, mais que isso, antecederam também a Lei do Sexagenário - que libertou, em 1885, os escravos com mais de 60 anos.

Dois fatos ainda mais antigos reforçam a posição do Ceará na vanguarda da abolição e o primeiro é anterior até mesmo à Lei do Ventre Livre, de 1871: consta que, em 1850, o deputado cearense Silva Guimarães teria feito a primeira tentativa de libertar os negros recém-nascidos, ao apresentar um projeto com esse teor na Câmara Federal. O segundo fato seria uma espécie de detonador do movimento que resultou nos acontecimentos de Redenção: no comecinho de 1881, um grupo de jangadeiros liderados por Francisco José Nascimento, conhecido como Chico da Matilde e posteriormente como o Dragão do Mar, decidiu parar o transporte de escravos no porto de Fortaleza.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia Leite
Esses acontecimentos fizeram com que o Ceará fosse considerado a Terra da Luz e com que Redenção criasse uma identidade que confunde a história da abolição com sua própria história, como atestam o nome do município e os monumentos espalhados pela cidade.

Em cada praça, encontra-se uma referência à libertação dos escravos. Até uma loja maçônica tem nome alusivo à Abolição. Mas estudos realizados na Unilab, e também por pesquisadores de outras instituições, indicam que os símbolos utilizados ali refletem uma visão unilateral de quem continua enxergando os negros em condição subalterna e sua liberdade como fruto da benevolência de brancos.

O monumento mais criticado por essa corrente é o painel da Negra Nua, ironicamente localizado em frente a um dos campi da Unilab, em Redenção. Objeto de inúmeras formas de protesto, o monumento acabou se transformando em um catalisador de discussões em torno das questões raciais e abolicionistas. Até sua posição geográfica reafirma essa condição de pivô das divergências pois o painel encontra-se na entrada da cidade, no canteiro central de uma avenida que tem, de um lado, um campus da Unilab - com o olhar para o futuro e um discurso libertário - e, do outro, o Museu Senzala Negro Liberto, que é visto com reserva por pelo menos uma parte dos pesquisadores.
BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia Leite

O Museu Senzala do Negro Liberto


BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia LeitePara quem visita Redenção, seja qual for a posição que tome nesse debate -  aqui mencionado apenas superficialmente - é praticamente impossível não conhecer o monumento e o museu. O primeiro porque se impõe implacavelmente na entrada da cidade, o segundo por ser o maior conjunto de memórias existente na região.

Instalado em um antigo engenho, onde hoje funciona uma fábrica de cachaça, o museu é dividido em três partes: o engenho, a casa grande e a senzala. Além de antigas máquinas de moagem de cana e documentos históricos referentes à produção açucareira e à compra, venda e
libertação dos escravos, o museu reúne fotos, utensílios domésticos e instrumentos de tortura.

O porão onde teria funcionado a senzala impressiona pelo realismo, embora pesquisadores indiquem a inexistência de provas de que ali tenha funcionado realmente uma senzala. Compartimentos insalubres, escuros e povoados por morcegos de verdade (embora inofensivos) abrigam reconstituições de algemas, troncos e outros instrumentos utilizadas pelos feitores para prender e castigar os mais rebeldes.

Logo na entrada, um compartimento elevado cujo pé direito diminui à medida em que se avança até o fundo, exibia aos recém-chegados a condição a que seriam expostos caso não obedecessem as regras. Quanto maior a desobediência, mais fundo o escravo era colocado no local de castigo e menor era o espaço que tinha para se movimentar.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia Leite

A limitação de movimentos também era o tema de outro castigo, talvez o pior de todos. Os escravos que cometiam ações consideradas muito graves eram trancados em uma espécie de armário e ali ficavam por horas, ou até dias, sem água nem alimentos e sem qualquer possibilidade de movimentar-se. A maioria não resistia. 

A visita só não traz mais realismo porque, em alguns cômodos, foram pintadas imagens de negros, o que reforça o caráter de reconstituição dos espaços.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA - Matéria Redenção - Foto Sylvia LeiteCaso se vá a Redenção em um dia útil, vale também uma visita ao Museu Histórico e Memorial da Liberdade, mantido pela Prefeitura e aberto somente de segunda a sexta. É imprescindível, também, conhecer pelo menos um dos campus da Unilab, de preferência o de Redenção onde se pode sentir o clima de integração entre nações e observar coloridos painéis com temas raciais; ou o das Auroras, para conhecer a Árvore Solar.


* Além dos campi localcalizados em Rendenção e no município vizinho de Acarape - Campus da Liberdade (Redenção), Campus das Auroras (Entre Redenção e Acarape) e Campus dos Palmares (Acarape) -, a Unilab tem uma unidade em São Francisco do Conde - Bahia, o município brasileiro com maior percentual de negros - mais de 90% declarados em censo, segundo dados da própria universidade.


Redenção - Ceará - Brasil


Texto: Sylvia Leite 
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 
    Fotos: Lúcia Simões, Márcia Alves e Sylvia Leite

    Colaboração: Esta matéria foi feita com a importante ajuda de Dayane Moreira, aluna da Unilab.


    Referências:

    Site da Unilab 


    Textos acadêmicos:

    - Relações raciais, identidades étnicas, gênero e autobiografias: o cotidiano dos estudantes africanos e brasileiros na Unilab/CE  (PDF)

    - Memórias Afro-Brasileiras: Monumentos, Museus e Educação patrimonial em Redenção - Ceará (PDF)

    - O Espetáculo da Abolição - A Negra Nua (PDF)

    ------------------------------------------
    Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.

    Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:

    Tilonia

    14 comentários:

    1. Que super matéria. Parabéns, Sylvia. Aqui a gente viaja aos lugares e no tempo.

      ResponderExcluir
    2. Muito bom, ja fui varias vezes ao Ceará entretanto nunca fui a Redenção, após sua materia com certeza darei uma ida ate este município

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada pelo comentário, Consul. Fico feliz quando minhas matérias animam as pessoas a colocar o pé na estrada.

        Excluir
    3. Maravilha, Sylvinha! Texto maravilhoso para descrever o que o Ceará tem de bom!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Valeu, Soninha. A sua matéria sobre o Ceará também está. para quem não sabe, Soninha é autora do blog 'Existe um lugar no Mundo' e hoje, coincidentemente, ela escreveu sobre a 'Rota Verde do café no Ceará'.

        existeumlugarnomundo.com.br

        Excluir
    4. Esse é um verdadeiro "lugar de memória", memória essa que jamais pode se perder. Um lugar sustentável, de integração, de aprendizado de coisas que podemos fazer e de outras que jamais devemos repetir.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Pois é, Maga. A Unilab parece estar cuidando disso muito bem.

        Excluir
    5. Excelente matéria, Sylvinha!
      Que essa integração entre povos prospere e que a Unilab se firme como instituição promotora de uma necessária consciência socioambiental, imprescindível nestes tempos sombrios!
      Abraços

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Valeu, Val. Ainda bem que você avisou, senão não teria como saber quem escreveu. É muito legal mesmo. Vale a pena conhecer.

        Excluir
    6. Respostas
      1. Obrigada prlo comentário. Da próxima vez, se identifique. Abs

        Excluir

    Obrigada por seu interesse em nossa postagem!