16/08/2018

Arara-azul-de-lear: resistência no sertão de Conselheiro

Blog lugares de memória - Matéria sobre a Arara-azul-de-lear- foto Gustavo PedroFotos de Gustavo Pedro

Por vezes surge uma dúvida: o lugar de memória é o espaço físico onde ocorrem acontecimentos dignos de serem conhecidos e lembrados ou os elementos que o qualificam como tal?

Isso ocorre com a Estação Biológica de Canudos* e a Reserva Ecológica Raso de Catarina**, moradas da arara-azul-de-lear - uma espécie que caminhava para a extinção até ser localizada por cientistas e sertanejos que deram início a uma luta por sua preservação. São elas ou a própria arara e toda a sua história que constituem o lugar de memória? Talvez seja tudo isso junto.

Nas duas áreas de proteção, localizadas no Raso da Catarina, onde se deu toda a luta de Canudos e de  Antônio Conselheiro, pesquisadores e funcionários dedicam-se a pesquisa, educação ambiental e, principalmente, à fiscalização das áreas de moradia da arara. A primeira está aberta à visitação e mantém um alojamento para observadores de aves e curiosos. Na segunda, só é possível entrar com objetivos educacionais ou científicos e depende de autorização. Juntas, elas estão salvando a arara-azul-de-lear da extinção e preservando o equilíbrio da caatinga - o único bioma exlusivamente brasileiro.

Mistério secular


Blog lugares de memória -  Matéria sobre a Arara-azul-de-lear- foto Gustavo Pedro
A história da arara-azul-de-Lear pode soar, inicialmente, como assunto para ambientalistas e observadores de aves. Um passo adiante, vemos o contraste de seu corpo azul com a aridez do sertão e, no mínimo, acrescentamos aí um interesse estético. Seduzidos com a beleza e com o exotismo, acabamos fisgados pela curiosidade e o que encontramos é uma saga de resistência que vai além da sobrevivência de uma espécie misteriosa. É a luta do sertanejo, apoiado por ambientalistas, para manter vivos a sua terra, a sua cultura, o seu habitat. Além disso, envolve interessantes personagens .
Blog lugares de memória -  Matéria sobre a Arara-azul-de-lear- foto Gustavo Pedro
Por aproximadamente 150 anos, 
pesquisadores de diversos países esquadrinharam o território brasileiro em busca dessa espécie rara registrada em 1832 por um jovem escritor inglês do estilo 'nonsense' que, para conseguir pagar as contas, trabalhava como ilustrador, desenhando aves silvestres levadas das Américas para a Europa. 

Edward Lear, segundo se conta,  não tinha qualquer conhecimento sobre as aves que retratava e, talvez por isso, nada anotou além de um nome científico provavelmente informado pelo autor da encomenda: Macrocercus hyacintinus. 


Blog lugares de memória -  Matéria sobre a Arara-azul-de-lear- foto Gustavo PedroUm desenho que intriga e mobiliza gerações


Blog lugares de memória -  Matéria sobre a Arara-azul-de-lear- foto Gustavo PedroQuando fez a ilustração, Lear tinha apenas 19 anos. Pouco tempo depois,  ele e o desenho da arara seguiram rumos distintos. Lear tornou-se conhecido por seus escritos absurdamente cômicos e por consolidar um tipo de poema batizado como limerick. Sua obra teria influenciado Lewis Carroll e, tempos depois, James Joyce.  No século 20, serviu como base para a construção dos personagens principais do filme Laranja Mecânica e foi citada pelo Beatles na música Paperback writer.

Já o desenho feito por ele ganhou vida própria inspirando e instigando zoólogos, biólogos e amantes das aves. Entre os que se encantaram pelo tema estava o zoólogo francês Charles Lucien Bonaparte, sobrinho de Napoleão, para quem a arara azul com gota amarela nos olhos era uma espécie particular - não se tratava de uma simples variedade das já conhecidas nem do resultado de um cruzamento entre elas - e decidiu batizá-la como Anodorhychus Leari em homenagem ao ilustrador.

Na época, os estudiosos europeus já tinham acesso exemplares vivos, mas apenas como resultado do tráfico - que fornecia exemplares para zoológicos e coleções particulares da Europa - não conseguindo, portanto, descobrir de onde ela era retirada. A busca se transportou para o Brasil e várias expedições foram feitas sem qualquer resultado. O movimento ganhou a adesão de Olivério Mário Oliveira Pinto, autor do livro Catálogo de Aves do Brasil , que encontrou apenas um exemplar em cativeiro. A uma certa altura, duvidou-se oficialmente da existência da arara azul, mas a obstinação do pesquisador alemão Hellmut Sick o levou até o esconderijo da ave. 

Blog lugares de memória -  Matéria sobre a Arara-azul-de-lear- foto Gustavo Pedro

Encontrada e protegida pelos conterrâneos


Sick vivia no Brasil desde 1942, e já fazia quase vinte anos que andava atrás da arara azul mas, nessa escalada final, ele entrou apenas com fotos, desejo e obstinação. 

Quem sabia os passos a serem dados até o santuário das aves misteriosas eram os sertanejos que viviam por ali: primeiro o velho caçador Maninho/ que procurou o jovem tocador de gado Aderbal/ que lembrou de um amigo do pai, o velho Eliseu/ e assim, finalmente, a ave misteriosa foi encontrada. Restava saber o que fazer para protegê-la e lutar por sua concretização. 


Ainda há muito a fazer

Blog lugares de memória -  Matéria sobre a Arara-azul-de-lear- foto Gustavo Pedro

As soluções estão vindo aos poucos: os paredões de arenito da Toca Velha, usados pela arara azul como dormitório e local de reprodução, foram progressivamente comprados pela Fundação Biodiversitas, criadora e administradora da Estação Biológica de Canudos. Outra extensa área de moradia da espécie pertence à Reserva Ecológica Raso de Catarina.  Alguns dos sertanejos envolvidos em sua busca passaram a trabalhar como guardas ambientais e foram seguidos por seus filhos e outros conterrâneos que surgiram pelo caminho. Tudo isso protege as aves de caçadores e traficantes. Se quando foram encontradas elas não chegavam a cem, hoje são mais de mil.

O que ameaça a espécie, agora, é a fome. E a luta atual é pela preservação da palmeira que dá um fruto conhecido como Licuri ou Ouricuri, seu principal alimento. Essa árvore vem sendo dizimada pelo desmatamento, pelas queimadas, pela movimentação do gado e pelo bode, com quem as araras precisam disputar os coquinhos.

Arara-azul-de-lear - Estação Biológica de Canudos - Canudos - Raso da Catarina - Bahia - Brasil

AVISO: Você acaba de ler a matéria Canudos 2. Leia também Canudos 1, que conta a história do Arraial de Canudos e de Antônio Conselheiro.

Estação Biológica de Canudos  - Fundação Biodiversitas
** Reserva Ecológica Raso de Catarina - ICM Bio


Livro:

Jardins da Arara de Lear, de João Marcos Rosa e Gustavo Nolasco

Projeto de preservação e recuperação da área de aliementação da arara azul:

Jardins da Arara de Lear



--------------------------------------------
Deixe um comentário a seguir e, se gostou, divulgue esta postagem em seus perfis nas redes sociais. Nos quadradinhos abaixo, você pode clicar em sua rede preferida e compartilhar diretamente.

Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:

Tilonia



18 comentários:

  1. Respostas
    1. Linda mesmo. Um azul indescritível e uma história de arrepiar!

      Excluir
  2. Linda história, Linda Arara, Linda caatinga e muito interessantes os personagens humanos de varios paises e culturas envolvidos na odisseia. Com certeza o Conselheiro iria proteger as Araras, gente de Deus, contra o Maligno, os traficantes de animais. Ele também iria converter muitos cacadores para a causa do Bem e transformar a vida desses homens, de matadores para protetores dessa Ave filha do Sertao. ������ Augusta Leite Campos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Gusta. E obrigada por ter me apresentado a Gustavo que me cedeu suas belas fotos para enriquecer a matéria. Beijo

      Excluir
  3. Que texto lindo amigo, não consigo não me emocionar o carinho pelo sertanejo e pela nossa espécie rara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário. Gostaria muito de saber quem escreveu. Um abraço, seja quem você for rsrs.

      Excluir
  4. Show. Super interessante. Como se diz na Marinha “ Bravo ZULU Silvinha “

    ResponderExcluir
  5. Lindo saber sobre a Arara Azul. Detalhes perfeitos e bem colocados. Como sempre, a cada quinta feira, conheço mais lugares e fico encantada. Obrigada Sylvia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço, maria Helena, por sua constância aqui no blog. Beijos

      Excluir