05/05/2021

Farol da Barra: lugar de história, poesia e religião

Scoffano por Pixabay - Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
Quem nunca ouviu falar no Farol da Barra, na orla de Salvador? O farol é lugar de manifestações, ponto de encontro de trios elétricos no Carnaval da Bahia e, acima de tudo, referência de pôr do sol na cidade, o que, aliás, é muito bem cantado por Baby Consuelo, atual Baby do Brasil, na composição de Luís Galvão e Caetano Veloso: “Quando o sol se põe vem o farol / iluminar / as águas da Bahia”.

A música foi composta na década de 1970, mas as águas da Bahia já são iluminadas por esse icônico farol 
Foto TurismoBahia - Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
desde os primeiros anos do século 17, quando foi instalada uma lanterna rudimentar na fortificação que deuorigem ao atual Forte de Santo Antônio da Barra. O farol oficialmente reconhecido – e com instalação de equipamento adequado no lugar da antiga lanterna – só veio no século seguinte, em 1698 (ou 1696, para alguns), portanto mais de 50 anos depois da inauguração do Palácio de Friburgo no Recife. Por isso os dois monumentos disputam o título de mais antigo do Brasil e das Américas.

A substituição da lanterna aconteceu em consequência do naufrágio do Galeão Santíssimo Sacramento , ocorrido em 1668, com mais de 400 mortes (há quem fale em 600). A embarcação portuguesa chocou-se com um banco de areia e, depois de ficar cerca de quatro horas à deriva, acabou afundando na altura do Rio Vermelho.
Foto Gov Ba - Flickr  -Wikimedia - Matéria Farol da Barra- BLOG LUGARES DE MEMÓRIA

A Ponta de Santo Antônio


Mas antes de tudo isso acontecer, o lugar já era tido como um ponto estratégico e de guarda da Baía de Todos os Santos, onde está localizado. Em 1501, apenas um ano depois que os portugueses chegaram pela primeira vez ao Brasil, no evento que se costuma chamar de ‘descobrimento’, foi realizada a primeira expedição à chamada ‘América Lusitana’. Nessa
- Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
visita, depois de negociar com os índios, eles já teriam instalado o seu ‘padrão de posse’ no lugar, que passou a se chamar de Ponta do Padrão e, tempos depois, recebeu o nome atual: Ponta de Santo Antônio. 

O Farol da Barra – se considerado desde a primeira lanterna – e o forte que o abriga foram testemunhas do nascimento de Salvador, pois ambos antecederam a criação da cidade, fundada somente em 1549. Dessa forma, testemunharam, também, a História do Brasil a partir da chegada dos portugueses.

Na época, o Brasil estava ganhando importância nas rotas de comercio e havia uma grande movimentação na costa brasileira. O local foi tomado pelos holandeses, em 1624, e recuperado meses depois. A costa brasileira era cobiçada também pelos ingleses e o Forte de Santo Antônio da Barra era uma dos seus mais importantes baluartes, a ponto de constar nos relatos do corsário Inglês William
Foto Museu Náutico da Bahia no Facebook - Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
Dampier, que teria escrito: "A entrada da Baía de Todos os Santos é defendida pelo imponente Forte de Santo Antônio, cujos lampiões acesos e suspensos para orientação dos navios, vimos de noite."

A memória do farol


O primeiro farol oficial, instalado em 1698, era movido a óleo de baleia. No século 19, foi inaugurado um equipamento mais moderno, trazido da
Foto Cássio Sampaio em Wikimedia- Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
Inglaterra, e movido a querosene. A
eletrificação só ocorreu no século 20. Hoje, o Farol de Santo Antônio da Barra alcança até 70 km de distância, alternando, dois fachos brancos e um vermelho, ou encarnado – como se diz lá no farol. Sua lente bicolor, que tem 1,8 m de diâmetro, está no topo de uma torre de 22 metros de altura, e pode ser acessada pelos visitantes que conseguirem subir 81 degraus em caracol. Além de conhecer a lente, os que se aventuram na subida pode ver uma exposição sobre os faróis do Brasil.
Foto Cássio Sampaio em Wikimedia - Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA

Dentro do forte, há ainda mais informação. O Museu Náutico, inaugurado em 1998, reúne registros e peças que contam tanto a história do forte como do farol e ainda nos dão uma ideia de como era a cidade em seus primeiros tempos. Para completar, possui uma sala de arqueologia com um acervo composto por destroços e objetos do Galeão Santíssimo Sacramento. As peças foram recuperadas durante uma expedição subaquática da Marinha Brasileira, em 1976 – o primeiro resgate arqueológico oficial realizado no Brasil.

- Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
Um lugar de culto


Mas não só de história e de por do sol vive o Farol da Barra. O ícone da Bahia de Todos os Santos já foi e continua sendo lugar de culto. Conta-se que, nos rochedos do farol existe uma nascente de água doce e, no início do século 20, os pescadores ergueram um marco ao seu redor, onde eram realizados cultos à Mãe D’água.

- Matéria Farol da Barra - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
No dia 2 de fevereiro, quando Iemanjá é festejada em vários bairros de Salvador, o farol tinha também sua comemoração. Durante o dia, quando voltavam do mar, os pescadores jogavam capoeira e faziam roda de samba diante da fonte. A festa só esquentava quando caia a noite, com uma batucada que durava até o dia seguinte.

Se Iemanjá era cultuado do lado de fora, dentro do forte as cerimônias religiosas eram dirigidas a Santo Antônio, que dá nome à ponta, ao forte e ao farol. Todos os anos, a trezena ao santo se repete no pátio da fortaleza, com missa, terço e apresentações musicais. A trezena é um evento tradicional da Igreja Católica, realizado anualmente em várias paróquias do mundo. No Farol da Barra, ela ganha um significado especial porque a Santo Antônio se atribui a proteção da Baía de Todos os Santos.
Foto Museu Náutico da Bahia no Fecebook -

Para se ter uma ideia do que Santo Antônio representou para a religiosidade brasileira na época do
Brasil Colônia, basta dizer que, durante anos, a Igreja recebeu mensalmente um pagamento das Forças Armadas referente ao soldo de Santo Antônio. É que o santo – não em vida, mas já morto e canonizado –  foi nomeado sargento-mor e depois promovido a tenente coronel com direito ao recebimento correspondente. E, por mais incrível que isso possa parecer, quem fez as nomeações foi o próprio Dom João VI.

O mais impressionante é que não se tratou de uma invenção brasileira. Nomeações semelhantes já haviam ocorrido em Portugal e na Espanha, justificadas pelo fato de Santo Antônio ser considerado, na época, o protetor das batalhas. No Brasil, o santo tornou-se símbolo da vitória contra os holandeses e o principal ponto de cruzamento entre ele e o festejado episódio é o Farol de Santo Antônio da Barra.

Farol da Barra - Barra - Salvador - Bahia - Brasil - América do Sul

Texto: Sylvia Leite
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes

Fotos: 

(2) turismobahia - Flickr - Wikimedia - CC BY-SA 2.0.
(3)  Gov/Ba - Flickr - Wikimedia - CC BY 2.0
(4) Berenice Kauffmann Abud - Wikimedia - CC BY-SA 4.0 
(5, 8 e 9) Museu Náutico da Bahia no Facebook
(6 e 7) Cássio Sampaio - Wikimedia - CC BY-SA 3.0 / Wikimedia - CC BY-SA 3.0
(10) enjoprado Wikimedia - CC BY-SA 3.0



-------------------------------------------
Gostou da matéria? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais.
Você também pode deixar um cometario expressando sua opinião. 

10 comentários:

  1. Muito interessante. Obrigado Silvia. N

    ResponderExcluir
  2. Adorei as fotos do farol da barra e que lugar de historia e poesia. A novidade ficou para a musica que eu não sabia que mencionava essa maravilhosa atração. Há outras músicas ou artes famosas que mencionam essa atração?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inúmeras, Moisés. O Farol da Barra sempre inspirou os artistas baianos.

      Excluir
  3. Maravilha, Sylvinha! O farol é um símbolo, um cartão-postal, um ícone de Salvador, dos mais importantes, além de ser lindo!

    ResponderExcluir
  4. Uau, eu sou doida pra visitar Salvador, e o primeiro lugar que irei visitar nessa cidade maravilhosa, com certeza é o Farol da Barra. Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Elizabeth. Depois volte aqui e me conte como foi a visita.

      Excluir
  5. Realmente Sylvia o Farol da Barra é um lugar de história e poesia. Quando estive em Salvador ano passado, adorei visitar esse local que é um ícone da capital baiana. Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir

Obrigada por seu interesse em nossa postagem!