15/09/2020

Jardim Botânico do Rio: um guardião da diversidade vegetal

Quando pensamos em visitar um Jardim Botânico, o que nos vem à mente é uma espécie de parque onde vamos ter contato com a natureza e, de quebra, conhecer algumas espécies vegetais. A ideia não tem nenhum erro, mas está incompleta. Em geral, o acervo de plantas é respaldado por pesquisas e ações educacionais. O Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ) vai ainda mais longe: é uma das mais importantes instituições de pesquisa do mundo na área de conservação da biodiversidade.

Desde 2008, o JBRJ mantém o Centro Nacional de Conservação da Flora (CNCFlora), que executa mais de 300 planos de ação para conservação de espécies brasileiras ameaçadas de extinção. Conta, ainda, com programas de pós-graduação profissional e strictu sensu – , ambos voltados para a diversidade e o equilíbrio ambiental* – além de publicações que dão visibilidade ao trabalho de pesquisa. São duas revistas científicas, guias de campo, vídeos e livros – um dos quais, o Livro Vermelho da Flora do Brasil, foi vencedor do Prêmio Jabuti (2014) na categoria Ciências da Natureza.

O compromisso da instituição com a preservação ambiental foi sendo tecido ao longo do tempo, como resultado das próprias pesquisas, que acabaram revelando a devastação e a ameaça de extinção de milhares de espécies, mas sua vocação científica parece ter existido desde sempre.
 

Um começo voltado para fins econômicos 


O Jardim Botânico do Rio de Janeiro foi criado em 1808, pelo príncipe regente D. João VI, e teve como primeiro desafio a adaptação de especiarias orientais - como canela, baunilha e pimenta - ao clima e ao solo brasileiros. As mudas vinham de

outras colônias portuguesas e do Jardim Botânico La Gabrielle, da Guiana Francesa, que na época estava ocupada por tropas luso-brasileiras.

Uma década depois, a estrela do JBRJ passou a ser a Camellia sinensis, planta com a qual se faz o chá preto. Dom João VI, nessa época já coroado rei, passou a incentivar o seu plantio no Brasil e o Jardim Botânico do Rio foi um dos locais escolhidos para o cultivo. Tinha, mais que isso, a incumbência de estudar e produzir sementes, que seriam espalhadas pelas províncias portuguesas.  O objetivo era produzir chá em todo o império para exportação.

Ciente de que os chineses são detentores de um conhecimento milenar sobre todo o ciclo do chá, Dom Pedro trouxe alguns deles ao Brasil para que transmitissem seus saberes sobre a cultura e o beneficiamento do produto. Durante duas décadas, o JBRJ chegou a colher 340 kg da planta por ano, mas o cultivo acabou caindo porque o sabor da planta não foi aprovado pelo mercado internacional.**

O chá não foi o único produto pesquisado no JBRJ com objetivos comerciais. Na mesma época, estudou-se também a Morus nigra - ou amoreira – com o fim de alimentar casulos do bicho-da-seda, e a Carludovica palmata – ou bombonaça – de onde se tira a palha para confeccionar os chamados chapéus Panamá.


Uma instituição dirigida por cientistas


A história do Jardim Botânico do Rio é pontuada, também, pela passagem, em sua direção, de personalidades marcantes que contribuíram tanto para a expansão de suas atividades como para a conquista de uma posição de referência no cenário científico internacional. Um desses nomes é o frei Leandro do Sacramento, professor da Academia de Medicina e Cirurgia. Antes de assumir a direção do JBRJ, ele já integrava diversas academias européias de ciências. Depois, ficou conhecido por suas aulas práticas de botânica em passeio

público, que juntavam muitos curiosos. Segundo os cronistas da época, frei Leandro transmitia seus conhecimentos de botânica, especialmente os que se referiam ao chá, a todos que tinham interesse de aprender - de lavradores a proprietários rurais.

Tão importante como o frei Leandro, foi o também botânico João Barbosa Rodrigues, que impulsionou a pesquisa científica e deu início aos movimentos de preservação ambiental. Um de seus maiores feitos foi a criação do cargo de naturalista viajante com o fim de aumentar as coleções de espécies. Esses profissionais foram fundamentais em uma das maiores realizações de Barbosa Rodrigues: o estudo de campo das espécies brasileiras. Foi por meio desses estudos que se constatou a devastação ambiental decorrente da criação de pastos e do uso agrícola dos terrenos nas regiões serranas do Rio, São Paulo e Minas, o que acabou levando o JBRJ a lutar pela criação de uma reserva biológica em Itatiaia, depois transformada no atual Parque Nacional de Itatiaia. Foi também em sua gestão que o JBRJ ganhou uma biblioteca, um herbário e um museu botânico.


Outro diretor que fez história na instituição foi o médico e cientista Antônio Pacheco Leão, responsável pela implantação de um setor de estudos da anatomia vegetal que organizou, em 1936, a Primeira Reunião Internacional de Anatomistas de Madeira. Deve-se a ele, também, a criação da revista científica Archivos do Jardim Botânico – a primeira do país especializada exclusivamente em Botânica e  voltada tanto a botânicos brasileiros como ao intercâmbio com centros de pesquisa da Europa e Estados Unidos.

Mas como toda regra tem exceção, houve um diretor -  Bernando Serpa Brandão - que fez história não por suas realizações científicas, e sim por ter dado ao lugar uma identidade visual. Foi ele quem construiu a Aleia das Palmeiras (Roystonea oleracea) que se converteu na imagem símbolo da instituição. A aleia foi plantada a partir de um exemplar trazido das Ilhas Maurício pelo 

oficial da Armada Real Luís Vieira e Silva e plantada no Jardim Botânico por Dom João VI, em 1808.

Conta a lenda que, quando essa Palma Mater*** floresceu, em 1829, Serpa Brandão ordenou não apenas que se plantasse a alameda, mas também que todas as sementes da árvore mãe fossem queimadas anualmente para que o Jardim Botânico tivesse o monopólio da espécie – batizada aqui no Brasil como palmeira imperial. Mas seu desejo não teria se concretizado porque os escravos que cuidavam do jardim levantavam-se no meio da noite e colhiam as sementes para vender a fazendeiros. Em alguns anos, inúmeras propriedades rurais passaram a ter alamedas semelhantes à do Jardim Botânico e a procura era cada vez maior porque a árvore tornou-se uma indicação de status.

Uma instituição de multiplas atividades

Contar a história completa do Jardim Botânico e apresentar seus departamentos e linhas de pesquisa exigiria muito mais que uma matéria jornalística. São mais de dois séculos de existência, acompanhando as tendências mundiais e adaptando-se às circunstâncias locais.

O que foi dito até agora é apenas uma pequena amostra das atividades do Jardim Botânico do Rio de Janeiro na área da pesquisa ambiental, mas é suficiente para transformar nosso passeio ao longo de suas aleias, pontes, pérgolas, canteiros ou pelo Arboreto, Orquidário e Bromeliário - em 

momentos de reflexão.

Cada espécie que admiramos, nos faz lembrar o conhecimento que se acumulou sobre ela, e cada construção, chafariz, aqueduto ou escultura nos traz à tona a história de uma instituição que sempre procurou se equilibrar entre os desafios científicos e o compromisso de oferecer à população um agradável ambiente de lazer.

Ao tecer essa trama, o JBRJ incluiu em seus jardins uma espécie de centro cultural que reúne, além do Museu do Meio Ambiente, um museu arqueológico denominado Casa dos Pilões. Trata-se de uma construção do século 19, onde funcionou uma das

unidades da Real Fábrica de Pólvora. Além de uma maquete que simula o funcionamento da Oficina Moinho dos Pilões, o museu mantém em exposição permanente objetos e fragmentos resgatados por meio de escavações.

O Jardim Botânico abriga, ainda, um corredor cultural, formado por um teatro, um café e o  Instituto Tom Jobim, que reúne sua obra musical e poética, as obras musicais de outros artistas brasileiros e sua preocupação com a preservação ambiental.


* Programa de Pós-graduação Profissional - Biodiversidade em Unidades de Conservação e Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Botânica - Diversidade Vegetal: Conhecer e Conservar.

**Embora o cultivo tenha diminuído, a cultura do chá não foi totalmente excluída do Brasil e, na década de 1980 (alguns falam em década de 1970), famílias chinesas mantinham cerca de 1.500 plantações 40 fábricas no Vale do Ribeira, mas perderam mercado para produtores da Índia e da China.

***A expressão era usada para designar a palmeira plantada por Dom João VI, da qual descendem todas as palmeiras existentes no Brasil.

Jardim Botânico do Rio de Janeiro - Bairro Jardim Botânico - Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil - América do Sul

Texto: Sylvia Leite

Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 
    Fotos:

    (1) Ricardo Zerrener - Riotour
    (2, 4, 9, 10) Halley Pacheco de Oliveira - CC BY-SA 3.0
    (3,7) Fulviusbsas Domínio publico
    (5, 6) Jardim Botânico do Rio de Janeiro
    (8) feliven - Flickr, CC BY 2.0

    Referências:

    Site  Jardim Botânico do Rio de Janeiro


    Esta matéria integra a blogagem coletiva DESTINOS DE NATUREZA. 

    A seguir, apresento a lista dos blogs que participam da iniciativa e com seus respectivos temas, e com links para que você possa acessar e ler as matérias. 



    -----------------------------------------------------
    Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.

    Para ler sobre outros lugares de memória, clique nos links abaixo:

    41 comentários:

    1. Eu sou apaixonada pelo Jardim Botânico, cansei de passear com meus filhos pequenos por ai. Um lugar lindo repleto de natureza por todos os lados e nos dias de calor é um super refresco.

      ResponderExcluir
    2. Adorei saber mais sobre o Jardim Botânico no Rio de Janeiro. Já conhecia o lugar, mas não conhecia sua história. Fiquei encantada. Grata pelas informações.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu que agradeço. Pela leitura e pelo comentário. Da próxima vez não esqueça de dizer seu nome.

        Excluir
    3. Que lugar repleto de beleza e de histórias. Eu fico inconformada de ainda não ter conhecido. Cada vez que veja posts e fotos do jardim botânico do rio fico sem acreditar que fui tantas vezes pra lá e não conheço o jardim botânico !!! Na próxima eu vou!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. E não contei nem um décimo rsrs. Não deixe de ir lá em sua próxima visita ao Rio.

        Excluir
    4. Amei saber tudo sobre o Jardim Botânico!!! Amo a natureza e as imagens são lindas!!!
      Alessandra Kleis

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. É um lugar especial, pela beleza e por tudo que faz e representa.

        Excluir
    5. Adorei seu post. Conheço o Jardim Botânico no Rio de Janeiro, mas não sabia a história. Adorei conhecer. Obrigada pelas informações

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Que bom que gostou. Pena que não disse seu nome. Da próxima vez não esqueça, ok?

        Excluir
    6. Eu acho lindo o Jardim Botânico do Rio, ainda não consegui ver pessoalmente, mas agora com a história vou colocar como primeiro da lista na próxima viagem para o RJ.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Que boa notícia! Adoro quando as pessoas decidem visitar os lugares reportados aqui. Prova de que gostaram da matéria rsrs

        Excluir
    7. O Jardim Botânico é também um local especial para a observação de pássaros. Grupos de observadores de pássaros costumam ir lá. Tom Jobim , que tem um espaço em sua homenagem em uma área central do parque, costumava observar os passarinhos por ali. Augusta Leite Campos

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Ótimo complemento às informações da matéria. Valeu, Gusta, bj

        Excluir
    8. Muito bom saber mais do Jardim Botânico, lugar que frequentei muito na minha infância... quase todo domingo, estava por lá. Deu saudade!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu também sinto saudade. Faz tempo que não vou lá. Ou melhor, faz tempo que não vou a lugar nenhum kkk

        Excluir
    9. Gostei demais dos esclarecimentos do que o Jardim Botânico do Rio oferece e representa em termos de conscientização e conservação do nosso patrimônio natural. Obrigada pelo post!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu que agradeço, Andrea. Pela leitura e pelo comentário. Abraço.

        Excluir
    10. Que vontade de conhecer o Jardim Botânico do Rio e contemplar sem pressa toda a beleza dessa diversidade vegetal e a História do lugar, um patrimônio que precisa ser preservado.

      ResponderExcluir
    11. Eu sou apaixonada pelo Jardim Botânico do Rio, é um dos meus preferidos de todos. E agora sabendo mais da história dele, realmente fará minhas próximas idas nele muito diferentes e ricas. Obrigada por compartilhar!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu que agradeço por sua leitura e comentário. Bom saber que gostou da matéria.

        Excluir
    12. O Jardim Botânico do Rio me encanta! Um lugar histórico e cheio de charme. Essa diversidade vegetal é incrível! Adorei post!

      ResponderExcluir
    13. Já fui dezenas de vezes pro Rio mas só na ultima visita conheci o Jardim Botânico, que lugar incrível! Vale a pena conhecer!

      ResponderExcluir
    14. Que matéria maravilhosa! Estou louca pra voltar ao Rio de Janeiro e revisitar o Jardim Botânico. De fato, é um guardião da diversidade vegetal!

      ResponderExcluir
    15. Muito bom saber mais do Jardim Botânico,essa historia das sementes, achei fantastica!!! ainda bem que nao queimaram assim podemos ter mais e amis palmeiras como esta :)

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Verdade. Seria uma pena se tivessem queimado todas as sementes.

        Excluir
    16. Amoooo!! O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é magnífico. Passei muitas horas inesquecíveis por lá com um grupo grande da nossa família ...nossa...que lugar para ir!! Informações históricas e fotos no blog excelentes!! Parabéns !!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada, Tamara. Que bom que gostou! Toda semana tem matéria nova aqui no blog e todo dia tem link no facebook para uma matéria já publicada. Acompanhe.

        Excluir
    17. Já visitei o jardim botânico algumas vezes, porém não tinha observado tantas coisas lindas que nem essas que você trouxe no post ! amei todas as dicas, da próxima vez vou olhar tudo com mais calma, lugar lindo

      ResponderExcluir
    18. Que bom que gostou. Toda semana tem matéria nova no blog. Acompanhe!

      ResponderExcluir
    19. Eu tive o prazer de conhecer o Jardim Botânico do Rio e até hoje foi o mais fantástico de todos que já conheci! Adorei o artigo, com certeza é um guardião da diversidade vegetal do nosso Brasil!

      ResponderExcluir
    20. O Jardim Botânico no Rio é um dos meus locais preferidos na minha cidade. Gosto muito de ir lá, andar pelas aleias e sentar para respirar o ar puro. Sem contar toda a história por trás do local que você relatou de forma primorosa.

      ResponderExcluir
    21. Amei saber mais da história do Jardim Botânico do Rio, que considero um dos locais mais bonitos da cidade... sabia um pouco sobre a origem e fundação por D. João VI das aulas de história, mas não tinha ideia da sua importância econômica e, atualmente, de sua função de preservação. Maravilhoso!

      ResponderExcluir
    22. Eu gosto demais do Jardim Botânico do Rio de Janeiro! Já fui lá muitas vezes e sempre que vem alguém de fora eu levo lá! Obrigada pelo post e por nos contar sua história! Adorei!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Eu que agradeço pela leitura e pelo comentário. Volte sempre. Toda quinta tem matéria nova no blog.

        Excluir

    Obrigada por seu interesse em nossa postagem!