28/11/2019

Troia: a cidade que inspirou poemas épicos

Foto Dina e Marco - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAQuem não gosta de Literatura nem de Mitologia, deve pensar muitas vezes antes de decidir ir a Troia. Em contraste com o carisma do seu mitológico cavalo, as ruínas da antiga cidade grega não têm muito o que oferecer aos olhos se a visão não estiver impregnada pelo que se leu ou ouviu a respeito de sua história - seja ela a real ou a mitológica. Agora, para os que se encantam com as narrativas épicas e já leram pelo menos um resumo da  Ilíada, conhecem um pouco de mitologia ou assistiram algum filme sobre o tema, a visita pode se transformar em uma jornada de reconhecimento.

Foto Dina e Marco - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIANo ponto inicial do trajeto há num enorme cavalo de madeira - que tenta reconstiuir o cavalo mitológico -, onde se pode entrar e vislumbrar a sensação dos que se enconderam dentro dele para, em seguida, atacar a cidade. Daí em diante, não há mais experiência lúdica. Em vez disso, surgem enormes espaços áridos compostos apenas por pedaços de colunas e restos de muros, paredes ou rampas. Mas as ruínas não são todas assim? Em Troia a destruição parece ser maior. E isso, ao que parece, se deve a mais de um fator.

O primeiro deles talvez seja a forma como foi escavada, a partir de 1871, pelo alemão 
Heinrich Schliemann, sem maiores cuidados com a preservação do que ainda estava em pé. Segundo alguns, fez assim porque sua intenção era apenas localizar o tesouro do rei Príamo, composto por peças de ouro e cobre. Mas há também a hipótese de que isso tenha ocorrido por falta de conhecimento.

Schliemann não era um arqueólogo de formação, e sim um empresário que enriqueceu e passou a praticar arqueologia com seus próprios recursos, aliementando um sonho de infância. Ele teria pedido desculpas pelo que fez a Troia pouco antes de morrer e é reconhecido como autor da importante descoberta de suas ruínas.


Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA Troia: uma cidade com nove vidas

 

Outra razão para o estado do local poderia ser  atribuída às sucessivas destruições. As escavações de Schliemann levaram à identificação de nove cidades, construídas sucessivamente, cada uma sobre os escombros da anterior.

Foto Dina e Marco - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAQuem visita Troia sem conhecimento prévio, certamente terá dificuldade de entender o que vê. Para os que se preparam, também não é fácil compreender o que representa cada fragmento e muito menos identificar a qual das nove cidades eles pertencem. A diferença é que um simples detalhe das ruínas, ou do que é narrado pelo guia, pode trazer a memória de uma cena ou de um personagem mitológico. E, quando isso acontece, cria-se uma ponte capaz de aguçar a percepção.

De acordo com as pesquisas arqueológicas realizadas no local, teria sido na Troia VII que aconteceu a famosa guerra e o conhecido episódio do cavalo de madeira. Conta a mitologia grega que os aqueus (povos que habitavam a atual Grécia) e os troianos (povo que habitava a atual Anatólia, na Turquia) enfrentaram-se por causa de uma mulher chamada Helena e a guerra acabou levando à destruição de Troia. A história é um pouco longa, e cheia de detalhes, mas vale conhecer pelo menos o seu resumo.

Tudo teria começado na festa de casamento da deusa Tétis com o mortal Peleu, para a qual todo o Olimpo foi convidado com exceção da deusa Éris, da Discórdia. Ofendida, Éris compareceu à cerimônia e deixou uma maçã de ouro sobre a mesa onde estavam as deusas Hera, Atena e Afrodite.
Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIANa fruta estava escrito: "à mais bela". Logo, as três começaram a disputar a maçã e, depois de algumas negociações, concordaram que o príncipe Páris, filho do rei Príamo, de Tróia, deveria ser o juiz da disputa.

Uma guerra travada pelo amor de Helena


As três deusas tentaram corrompê-lo para alcançar a condição de mais bela e, com isso, ter direito à maçã ( ou pomo) de ouro: Atena lhe prometeu sabedoria, Hera ofereceu o poder sobre a Ásia. Quem ganhou o prêmio foi Afrodite, deusa do amor, por ter oferecido a Páris a possibilidade de conquistar Helena, filha de Zeus com a rainha Leda, e descrita por ela como a  mais bela mortal do mundo. Mas Helena era casada com Menelau, o rei de Esparta e, quando Páris conseguiu convencê-la a partir com ele, provocou a ira dos aqueus contra Troia. 

Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAUm episódio anterior a tudo isso justifica a grande mobilização desses antigos gregos, que viviam em distintas cidades-estados - entre elas Esparta - em apoio ao traído rei Menelau. Ocorre que a mão de Helena havia sido disputada por muitos pretendentes e, para evitar confrontos e divisões, todos teriam chegado ao acordo, sugerido por um deles  - Ulisses (ou Odisseu), rei de Ítaca -,  de não apenas aceitar a escolha que fosse feita por Helena, como assumir o compromisso de protegê-la e zelar pelo seu casamento.

A guerra durou dez anos e, novamente, os aqueus decidiram aceitar uma sugestão de Ulisses. Construíram um cavalo de madeira, colocaram soldados dentro dele e se esconderam em suas embarcações, simulando uma retirada. O cavalo, com guerreiros em seu interior, foi colocado na porta da cidade  em sinal de paz, como um presente para a deusa Atena, que tinha um templo dentro da cidade. Ao constatar  a ausência dos aqueus depois de dez anos de guerra, os troianos beberam para comemorar e caíram no sono. Quando isso ocorreu, os troianos saíram do cavalo e abriram as portas da cidade que foi invadida, destruída e incendiada.
Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA


A Eneida e a Ilíada: poemas épicos que narram a guerra


A Guerra de Troia está no centro, ou na origem, de grandes poemas épicos, mas a Eneida e a Ilíada são os que têm uma relação mais direta com sua história. Na Eneida, do poeta romano Virgílio,  o herói Eneas - que se salva da guerra e foge com a família para a península itálica - narra a Dido, rainha de Cartago, o último dia de Troia, marcado pelo episódio do cavalo. A Eneida teria repercutido, de uma maneira ou de outra, em várias obras literárias, entre as quais
Os Lusíadas, de Luís de Camões, e A Divina Comédia, de Dante.

Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAA Ilíada, por sua vez, é inteiramente dedicada a essa
guerra. Narra os últimos 51 dias do conflito que teria durado 10 anos. São quase 16 mil versos compostos em um tipo de métrica conhecida como hexâmetro horóico ou hexâmetro datílico por assemelhar-se às proporções de um dedo, que tem uma falange longa e duas curtas. Era a métrica usada nos poemas épicos da Grécia Antiga.

Como na época de sua criação - provavelmente no século 8 antes de Cristo* - vigorava a tradição oral, acredita-se que a Ilíada foi divulgada originalmente por meio dos aedos, espécie cantadores que recitavam suas poesias ou obras de terceiros ao som da lira. Somente dois séculos depois é que teria ganho uma versão escrita, na qual os versos foram organizados em 24 cantos que correspondem às 24 letras do alfabeto grego.

O título Ilíada vem da palavra grega Ílion, que era o outro nome de Troia. O poema é considerado uma das obras mais importantes da literatura mundial e, ao lado da Odisséia - que conta a volta de Ulisses da mesma guerra, representa o modelo de poesia épica. Tanto a Ilíada como a Odisséia são atrbuídas a Homero, uma figura sobre a qual pairam várias dúvidas, inclusive se realmente existiu históricamente ou se foi um personagem criado para dar uma autoria a esses e outros poemas.

Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAOs defensores da tese da inexistência histórica de Homero acreditam que os dois poemas épicos
resultam de uma espécie de acúmulo de histórias contadas ao longo dos séculos, como é o caso do clássico As Mil e Uma Noites.

Guerra de Tróia: Mito ou história?


Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAAssim como ocorre com Homero, questiona-se também a existência histórica da Guerra de Tróia, uma cidade destruída pelo menos oito vezes e reconstruída sobre os próprios escombros. Caso a guerra tenha realmente existido - e hoje já se acredita mais nisso que tempos atrás - provavelmente não ocorreu por razões amorosas e sim por motivos comerciais, já que Troia está geograficamente localizada em um ponto que era considerada estratégico para o fluxo de mercadorias entre os povos da época.

Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAPesquisas arqueológicas confirmaram a existência de conflitos no local, depois que foram descobertos, entre as ruínas, restos de armamentos e um esqueleto com a mandíbula quebrada e ferimento na cabeça, mas levanta-se também a possibilidade desses achados serem evidências de uma guerra civil e não de um confronto externo.

Caso realmente tenha existido - e há muitos defensores dessa tese - a guerra provavelmente ocorreu na Troia VII, que teria permanecido em pé por cerca de um século, num período localizado entre 1300 e 950 antes de Cristo.

Foto Sylvia Leite - Matéria Troia - BLOG LUGARES DE MEMÓRIADe acordo com as pesquisas arqueológicas, Troia VII foi destruída por uma guerra e foi lá que os arqueólogos encontraram as armas e os esqueletos. Além disso, há no local vestígios de incêndio.

A imagem se perpetua e ganha novos terrenos


Para quem gosta do assunto, há muitas hipóteses e inúmeros detalhes a serem conhecidos, todos
muito interessantes, mas nenhum deles mais envolvente que a narrativa lendária e seu principal ícone - o grande cavalo de madeira.

Essa imagem já faz parte do repertório da cultura ocidental e deu origem à expressão popular "presente de grego", dita quando alguém quer fazer falar de forma metafórica sobre algo que se apresenta como um regalo, mas traz embutida uma surpresa desagradável. Uma das inúmeras referências atuais a essa metáfora está na canção "Anjo de fogo", de Alceu Valença*.  

O imaginário da guerra chegou ainda à informática, dando nome a um tipo de programa malicioso (malware) que tem a aparência de software legítimo, ou se esconde dentro de um software legítimo violado. O conhecido 'Cavalo de Troia' pode atrapalhar o desempenho de computadores, excluindo, bloqueando ou modificando dados, ou pior: roubando informações pessoais, inclusive senhas.

* "Eu sou como o vento que varre a cidade/ Você me conhece e não pode me ver./ Presente de grego, cavalo de Troia, Sou cobra jibóia, Saci Pererê..."

Troia - Hisarlik - Trôade - Anatólia - Turquia


Texto: Sylvia Leite

Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 

Fotos:

(1, 2, 4 ) Dina e Marco
(3, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11 e 12) Sylvia Leite 


Referências:


Livros:

Ilíada, atribuído a Homero, século 8 antes de Cristo. Baixar PDF.
Eneida. de Virgílio, século 1 antes de Cristo. Baixar PDF.

Artigo:

Ilíada foi publicada nos anos 700 Antes de Cristo, de  Joel N. Shurkin e Inside Science News Service. 


Filmes:

Troia, de Wolfgang Petersen, 2004.

A fúria de Aquiles, de Marino Girolami, 1962.

A guerra de Troia, de Giorgio Ferrano, 1961.

Agradecimentos: 

Dinorah Regis



-------------------------------------------
Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.

Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:

Tilonia

6 comentários:

  1. Lugar maravilhoso!! Gratidão Sylvia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço, pela leitura e pelo comentário. Só faltou dizer seu nome.

      Excluir
  2. Muito bom poder constatar a história que se viu nos livros e nos filmes, né?
    Amei, Sylvinha!
    Beijão
    sonia pedrosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom mesmo, Soninha! Obrigada pelo comentário e pela constância na leitura. Beijos

      Excluir
  3. Como sempre, a leitura de seus textos é uma viagem, Sylvinha!
    Lendo sua matéria me lembrei de um filme muito antigo, estrelado por Rosana (ou Rossana) Podestá, no papel de Helena de Tróia. Depois desse, outros filmes abordaram essa guerra, mas sem o romantismo que marcou o primeiro.
    Ainda no ginásio, meu professor de história já levantava a hipótese de que essa guerra não se deu por Helena, mas por motivos mercantilistas. Mas meu grupinho de pré-adolescentes românticas preferiu a versão cinematográfica à histórica.
    Bjs,
    Val Cantanhede


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gosto quando as matérias do blog trazem boas recordações aos leitores. Obrigada pelo comentário, Val. bjs

      Excluir

Obrigada por seu interesse em nossa postagem!