07/11/2019

A geometria de Athos Bulcão: cor e movimento nos prédios de Brasília

 Foto Olimor- Obra do próprio, CC BY-SA 3.0 - Matéria Athos Bulcão - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAEmbora muita gente não saiba, é praticamente impossível circular em Brasília sem se deparar, pelo menos uma vez, com algum dos painéis, divisórias, portas ou relevos geométricos criados pelo artista plástico Athos Bulcão. Eles estão em toda parte, a começar pelos prédios considerados ícones da cidade como o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto, o Itamaraty ou a famosa Catedral - todos projetados por Oscar Niemeyer, um dos nomes mais importantes da arquitetura moderna internacional. Estão também em lugares menos nobres, mas de grande circulção de pessoas, como o aeroporto, hotéis, ministérios, prédios comerciais e residenciais.

Foto Ricardo Padue Fundathos - Matéria Athos Bulcão - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAA primeira obra assinada por Bulcão em Brasília foi concluída em 1958, dois anos antes da inauguração da cidade: são azulejos de fundo azul, com pinturas em branco e preto, que alternam desenhos estilizados do Espírito Santo e da Estrela de Belém. Os painéis revestem as paredes laterais da Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima, projetada por Oscar Niemayer a pedido de dona Sarah, a mulher do presidente Jucelino Kubitschekque precisava pagar uma promessa pela cura de sua filha. Apesar de ser considerado o trabalho mais representativo dos painéis do artista, guarda uma diferença dos demais - é o único, em azulejo, com elementos figurativos.

Entre as obras mais conhecidas de Bulcão está a treliça que delimita a Sala dos Tratados, no mezanino do Paláco do Itamaraty. A divisória tem cerca de 22 metros de largura por quatro de altura e combina uma estrutura de madeira com peças de ferro pintado nas cores vermelho, branco e preto. Na mesma sala, encontra-se a mesa dos tratados, talhada em jacaradá, sobre a qual a princesa Isabel assinou a Lei Áurea. 


Fto Tuca reinés Fundathos - Matéria Athos Bulcão - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
Outra obra bastante divulgada é o painel Ventania, que reveste a parede do jardim interno do Salão Verde da Câmara dos Deputados. Para o mesmo Salão Verde, Bulcão criou o muro escultórico que serve como divisor de ambientes e há ainda outros cinco painéis do artista nas dependências da Câmara.
Foto Edgard Cesar Fundathos - Matéria Athos Bulcão - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
Menos conhecidos, mas também localizados em espaços nobres, são o relevo em mármore  do Supremo Tribunal Federal;  a porta em aço com vitrais coloridos da Capela Nossa Senhora da Conceição, no Palácio da Alvorada; o painel de azulejos no batistério da Catedral Metropolitana 
e o teto com placas metálicas no plenário do Senado Federal.


Fora das estuturas política e religiosa, as obras de Bulcão espalham-se por lugares mais expostos ao grande público como o Aeroporto Juscelino Kubitschek e o Brasília Pálace HotelSua presença é marcante também no Teatro Nacional, onde realizou relevos em concreto na fachada e, em mármore, na Sala Vila-Lobos, além de painéis com função acústica.

Foto Edgard Cesar Fundathos -  Matéria Athos Bulcão - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA Athos Bulcão: o artista de Brasília

A partir de 1958, a história de Bulcão se confunde com a de Brasília. Ele chegou ao Distrito Federal em 1958, a convite de Oscar Niemeyer, e começou a desenvolver um trabalho que de arte integrada e acabou transformando a cidade em um museu a céu aberto e levando cor e movimento à bela arquitetura de concreto de Niemeyer.

Foto Edgard Cesar Fundathos -  Matéria Athos Bulcão - BLOG LUGARES DE MEMÓRIABulcão ficou em Brasília até o fim da vida. Ele morreu em 2008, aos 90 anos. Foi amigo de importantes artistas, como Carlos Scliar, Jorge Amado*, Pancetti, Enrico Bianco, Milton Dacosta, Vinicius de Moraes, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Alfredo Ceschiatti, Manuel Bandeira - e considerava todos eles responsáveis por sua formação.

Teve também uma estreita ligação com Portinari, de quem foi assistente na pintura do mural de São Francisco de Asis na Igreja da Pampulha**.  Foi por meio de Portinari*** que conheceu Niemeyer, seu futuro parceiro na maioria dos trabalhos que realizou em Brasília. Trabalhou, ainda, com o arquiteto João Filgueiras Lima, o Lelé, que ficou conhecido pelos projetos que realizou para a Rede Sarah de Hospitais.

Bulcão era carioca do Catete e passou sua infância em Teresópolis. Ainda muito jovem, abandonou  o curso de Medicina para se dedicar às artes plásticas e iniciou uma carreira voltada para o público, mas não o público das galerias e dos museus e sim as pessoas comuns que circulam pelos prédios públicos e privados e, ao fazer isso, entram em contato com seus painéis, relevos, divisórias, muitas vezes sem se dar conta de que estão diante de uma obra de arte.


O Instituto Athos Bulcão

Foto Edgard Cesar Fundathos -  Matéria Athos Bulcão - BLOG LUGARES DE MEMÓRIAA preservação da memória de Bulcão e a catalogação de sua obra é feita pela Fundação Athos Bulcão, criada em 1992. Em sua pequena sede, na CLS 404, Asa Sul de Brasília, a fundação realiza exposições temáticas e mantém uma loja onde são comercializados de marcadores de livros a cadeiras, com padrões criados pelo artista.

A entidade mantém, ainda, projetos educativos, restaurações e publicações, entre as quais o livro "Athos Bulcão", vencedor do prêmio Jabuti 2010, na categoria "Arquitetura e Urbanismo, Fotografia, Comunicação e Artes". 


                                                                           ***

Leia, aqui no blog, matérias sobre artistas citados nesta matéria:

* Museu Casa de Jorge Amado
** Sobre a Pampulha 

Padrões de Athos Bulcão - Prédios públicos e privados - Brasília - Distrito Federal - Brasil

Texto: Sylvia Leite

Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 

Fotos:

(1) Foto Olimor- Obra do próprio, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=31561445
(2) Foto Ricardo Padue/Instituto Athos Bulcão
(3) Foto Tuca Reinés / Instituto Athos Bulcão
(4, 5, 6,7) Foto Edgard Cesar/ Instituto Athos Bulcão


Referências:

Site da Fundação Athos Bulcão
Visita à Fundação Athos Bulcão


Livros:
Athos Bulcão, Fundação Athos Bulcão (Prêmio Jabuti 2010)
Catálogo do Acervo da Fundação Athos Bulcão


Referências visuais:

Doodle do Google
Vídeo sobre a obra de Athos Bulcão

Agradecimentos:

Vitor Borysow - assessor de comunicação da Fundação Athos Bulcão

Fundação Athos Bulcão


-------------------------------------------
Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.

Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:


11 comentários:

  1. Que trabalho lindo,qu eeu até conhecia, mas não sabia do autor. Adorei, Sylvinha!
    Beijo
    sonia pedrosa

    ResponderExcluir
  2. Parabéns por resgatar neste texto tanta arte e conhecimento que para muitos passa despercebido. Adorei Sylvinha

    ResponderExcluir
  3. Parabéns por resgatar neste texto tanta arte e conhecimento que para muitos passa despercebido. Adorei Sylvinha

    ResponderExcluir
  4. Bulcão com sua arte engajada continua a fazer parte da história cultural de Brasília.
    Gratidão, Sylvinha, pelo belo texto, , que resgata a importância desse carioca que se fez "candango".
    Abraços
    Val Cantanhede

    ResponderExcluir

Obrigada por seu interesse em nossa postagem!