04/07/2019

Arcos de la Frontera: milênios de cultura sob o sol da Andaluzia

Foto 123RF - matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA Casas caiadas para aliviar o calor, grades pintadas de preto e vasos com flores, principalmente gerânios.
Assim são as residências, bares e até hotéis no centro histórico de Arcos de la Frontera - cidade milenar plantada em uma colina na província de Cádiz*, Sul da Espanha. Para completar a paisagem, as ruas são estreitas, forradas de pedra e inclinadas - algumas delas tomadas por degraus. Por cima de tudo, um céu azul iluminado como só se vê em regiões mediterrâneas .

Foto Elisa.rolle - matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA A cidade, com pouco mais de 30 mil habitantes, tem inúmeros monumentos históricos que vale a pena conhecer, como igrejas góticas, conventos, um teatro e um castelo. Mas nada se compara à experiência de caminhar pelas ruas sinuosas e ir descobrindo, a cada passo, os detalhes da arquitetura e da decoração das casas e de ir saboreando, pouco a pouco, a calmaria que vai tomando conta da gente.


Para vivenciar tudo isso, é preciso mergulhar no passeio e se entregar, deixando qualquer
compromisso para outro dia, porque no meio do caminho vão surgir inúmeros apelos, como uma gruta em plena cidade, ou um mirador que, diferente da maioria, está no nível da rua e não exige que se subam escadas nem rampas para alcançá-lo. Isso sem falar nos pátios internos de casas e hotéis que avistados de fora nos fazem cometer a imprudência de pedir para conhecer.

Arcos de la Frontera: a Coloniae Ascensium  dos romanos

Foto Michal Osmenda - Matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
O centro histórico, na sua forma atual, conserva um traçado definido na Idade Média - época em que a cidade foi dominada pelos árabes e tornou-se a capital de um dos Reinos de Taifas  - espécie de principados muçulmanos independentes surgidos após a queda do Califado de Córdoba. Mas ferramentas e utensílios encontrados em escavações demonstram que o local já era habitado no período paleolítico.

Foto Menesteo - Matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA Entre a pré-história e a ocupação árabe, a cidade viveu sob o domínio dos romanos e, nessa época, teria sido chamada por dois nomes: Coloniae Ascensium, ou Colônia suspensa, e Arx-Arcis, que significaria Fortaleza na Altura. 

Embora não haja certeza sobre essas denominações, também não há dúvida de que Arcos de la Frontera foi considerada, ao longo de sua história, um lugar estratégico de defesa, não apenas por estar localizada em uma colina com mais de 100 metros de altura, mas também por ser quase toda rodeada por um rio.  

Da época romana quase não há vestígios no centro histórico, mas o seu caráter de fortaleza permaneceu no período árabe e até hoje pode ser observado no que restou da muralha de proteção construída pelos muçulmanos. Sobrevive, ainda, a chamada Puerta Matrera, que integrava o sistema de defesa do lado Leste da cidade.

Enquanto a herança muçulmana aparece principalmente na arquitetura e no traçado urbano, o legado cristão está nos monumentos históricos, em sua maioria edifícios religiosos como a Igreja de São Pedro, o Convento dos Jesuitas e o antigo Monastério dos Franciscanos Descalços. 

Mas Arcos de la Frontera não tem apenas arquitetura, monumentos históricos e calmaria. Como em quase toda cidade andaluz, suas ruas e praças abrigam festas religiosas, festivais flamencos e, entre os moradores, especialmente os mais antigos, circulam tradições e lendas. 
Foto Alexandre Seara - Matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA

Uma lenda que ecoou para o mundo 


Uma das narrativas que percorrem as ruas estreitas da cidade é La molinera y el corregidor*, na qual o escritor Pedro Antonio de Alarcón buscou inspiração para escrever o romance picaresco El sombrero de tres picos, lançado em 1874. 
Foto Malopez 21 -Matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA
A obra ganhou fama internacional e foi adaptada para várias linguagens em diferentes épocas:  um ballet e uma peça para orquestra do compositor Manuel de Falla, que levam esse mesmo nome; uma peça de teatro denominada "La Molinera de Arcos",  de Alejandro Casona,
 e pelo menos três filmes: El sombrero de tres picos, dirigido por Mario Camerini; "La pícara molinera", dirigido por Leon Klimovsky e "La bella campesina", dirigida por Mario Camerini

A lenda conta a história de um corregedor que resolveu seduzir Frasquita, a bela mulher do moleiro Lucas e, para mantê-lo afastado de casa, fez uma grande encomenda de farinha com prazo bem apertado, de modo que o moleiro precisasse trabalhar a noite inteira para não ter que pagar uma enorme multa pelo atraso na entrega. Mas naquela noite chegou ao moinho um homem que sabia moer e, ao ver o moleiro preocupado por ter deixado a mulher sozinha em casa, ofereceu-se para fazer o serviço em seu lugar. 
Foto Luis Rogelio HM - Matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA

Ao chegar em casa, Lucas encontrou o corregedor deitado ao lado de Frasquita e suas roupas jogadas em cima de uma cadeira. Imediatamente lhe veio uma ideia: vestir as roupas do corregedor, inclusive o chapéu de três pontas que era usado pelos poderosos, e, no lugar delas, deixar as suas. Com o disfarce, Lucas conseguiu entrar na casa do corregedor e passar a noite com sua esposa. Somente no outro dia é que o corregedor se deu conta da troca e teve que voltar para casa vestido de moleiro. Sua mulher, ao levantar, percebeu que o homem com quem tinha passado a noite anterior não era o marido. Ao final, os quatro se encontraram e acusaram-se mutuamente.

Informações sobre a lenda e registros das obras inspiradas por ela são tema de duas salas do Palacio del Mayorazgo - uma construção do século 17, que abriga hoje um museu da  "Delegación Municipal de Cultura", onde são realizadas exposições temporárias e permanentes.

Foto Flávio Alarsa -  Matéria Arcos de la Frontera - BLOG LUGARES DE MEMÓRIA

Na Rota dos 'Pueblos Blancos'


 Arcos de la Frontera é tida como porta de entrada para uma rota composta por 19 pequenas cidades da província de Cádiz que têm pelo menos um traço comum: as fachadas pintadas de branco. Embora parecidas à primeira vista, cada uma tem suas especificidades como as 'casas cuevas' em Setenil de las Bodegas, a produção de couro em Ubrique, as mantas artesanais em Grazalema ou os violões flamencos em Algodonales. Mas esse tema fica para outra matéria que virá em breve.



*Leia matéria sobre Cádiz aqui neste blog.

** Há uma disputa por essa lenda. Os moradores de Huelva, município localizado na província de mesmo nome, também na Andaluzia, reivindicam para a sua cidade a origem da narrativa. Alguns registros sequer localizam  a história em um cenário específico, limitando-se a dizer que os fatos aconteceram em algum povoado próximo a Granada.



Arcos de la Frontera - Cádiz - Andaluzia - Espanha 

Texto: Sylvia Leite
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 

    Fotos: 
    Foto (1) 123RF
    Foto (2 ) Elisa.rolle por Wikimedia Commons 
    Foto (3) Michal Osmenda, Bélgica, por Wikimedia Commons
    Foto (4) Menesteo por Wikimedia Commons 

    Foto (5) Alexandre Seara
    Foto (6) Malopez 21 por Wikimedia Commons 
    Foto (7)  Luis Rogelio HM por Wikimedia Commons
    Foto (8) Flávio Alarsa 


    Referências:

    Livro:

    El sombrero de tres picos, de Pedro Antonio Alarcón (baixar)


    -----------------------------------------------------
    Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.

    Para ler sobre outros lugares de memória, clique nos links abaixo:

    12 comentários:

    1. Maravilha Sylvia. Que vontade de ir dede novo à Arcos onde estive muito rápido.

      ResponderExcluir
    2. Muito interessante, Sylvinha!!! Adorei a lenda! e o texto, perfeito!

      ResponderExcluir
    3. Mais um texto delicioso de ler, Sylvinha!
      Gratidão por compartilhar uma das belezas de Andaluzia!
      Abraços,
      Val Cantanhede

      ResponderExcluir
    4. Que boa descrição histórica e turistica. Assim dá vontade de fazer a rota dos pueblos blancos.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada. Mas você não se identificou. Da próxima vez não esqueça.

        Excluir
    5. Esta cidade eu conheço. Pernoitei lá qdo fui conhecer os Pueblos Blancos.Não esqueço de um jardim que a pessoa usava diferentes objetos como vaso para plantas: urso de pelúcia, regador, panela, louça, banheira, etc.Achei a ideia sensacional

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Boas recordações, não é? Obrigada pelo comentário. Faltou dizer seu nome. Abraços.

        Excluir
    6. E mesmo fascinante a influência Moura na Espanha e Portugal. Parabéns por está linda matéria.

      ResponderExcluir

    Obrigada por seu interesse em nossa postagem!