18/04/2019

Igreja da Pampulha: emblema da arquitetura modernista no Brasil

A Igreja de São Francisco ou Igrejinha da Pampulha, como é conhecida pelos moradores de Beagá (apelido da capital mineira), é considerada a obra-prima de um conjunto monumental inaugurado na década de 1940 e listado recentemente pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade. O prédio, projetado por Oscar Niemeyer , reúne pinturas de Candido Portinari, mosaicos de Paulo Werneck, baixos relevos de Alfredo Ceschiatti em meio ao paisagismo de Roberto Burle Marx . Mas , apesar disso tudo, levou cerca de catorze anos para ser aceito pela Cúria como 
lugar de celebrações da Igreja Católica. 

Para o então arcebispo de Belo Horizonte, A rejeição teve aparentemente dois motivos: o fato de alguns daqueles artistas serem comunistas e a sua ousadia estética - que teria escandalizado não apenas o arcebispo, mas também uma boa parte da população.

A inovação estava por toda a parte, a começar pelo projeto que, em vez de nave e cúpula, como era costume nos templos católicos, previa uma estrutura contínua e ondulada em alusão às montanhas de Minas.

A proposta era inédita até mesmo em termos técnicos porque, segundo se conta, não havia exemplo anterior daquele tipo de abóbada parabólica em concreto, sem colunas de sustentação (pilotis), a não ser em armazéns. Por sorte, o profissional que faria os cálculos da obra - Joaquim Cardoso - além de calculista era também poeta e, encantado com o projeto, empenhou-se para viabilizar sua execução.

Outro motivo de espanto está no painel do altar, pintado por Portinari. Além de representar São Francisco com uma roupa leve e de braços expostos - ao invés do hábito austero amarrado por um cordão -  o artista substituiu a imagem do lobo - normalmente retratado ao lado do santo por ser um animal que tem a afeição dos seus conterrâneos de Assis - pela de um cachorro vira-lata, que é um animal estimado pelo povo brasileiro.

Foi também motivo de estranhamento o padrão do mosaico de Paulo Werneck  que faz o revestimento eterno lateral da igreja. Todo em tons de azul e branco e com desenhos abstratos, também em formas curvas, o painel está muito distante da decoração tradicional de uma igreja na primeira metade do século 20.

As estações da Paixão de Cristo, pintadas por Portinari, talvez tenham sido a única referência cristã que não diferia de forma radical da estética esperada para um templo católico. Mas é claro que isso não foi suficiente para reverter a má impressão causada ao arcebispo da época. Assim, a famosa Igreja de São Francisco só foi consagrada em 1956, pelo seu sucessor, Dom João de Rezende Costa, na condição de capela.

A obra-prima de um conjunto monumental


A Igreja de São Francisco foi o último prédio a ficar pronto no conjunto arquitetônico da Pampulha e é considerado o mais importante de todos. Além dele, Oscar Niemeyer projetou outros três edifícios. Em um deles funcionava um cassino que foi fechado poucos anos depois em consequência da proibição do jogo pelo presidente Dutra. No local funciona hoje o Museu de Arte da Pampulha (MAP). 

O segundo prédio, batizado como Casa do Baile, era um restaurante com pista de dança que foi muito frequentado pelos moradores de Belo Horizonte, mas acabou decaindo depois do fechamento do cassino e agora abriga o Centro de Referência de Urbanismo, Arquitetura e do Design, ligado à Fundação Municipal de Cultura da Prefeitura de Belo Horizonte. 

O terceiro prédio é o Pampulha Iate Clube, famoso PIC, que continua com a mesma função dos primeiros tempos, mas perdeu sua identidade em consequência de ampliações que não levaram em conta o projeto inicial. O que une os quatro prédios, com objetivos  e localizações diversas, são a Lagoa da Pampulha - criada artificialmente dentro do mesmo projeto - e os jardins de Burle Marx. 

Um ensaio para Brasília

Há quem considere a Igreja de São Francisco e os outros prédios que compõem o conjunto monumental da Pampulha como uma espécie de ensaio daqueles jovens profissionais - na época com pouco mais de 30 anos - para o que fariam quase duas décadas depois em Brasília. Tanto a Pampulha como a capital do Distrito Federal foram encomendas do visionário Juscelinho Kubitscheck - no primeiro caso como prefeito de Belo Horizonte e no segundo como presidente da República.  

A Niemeyer e ao calculista Joaquim Cardoso coube, em Brasília, os projetos de inúmeros prédios entre os quais se destacam o Congresso Nacional, os palácios do Planalto da Alvorada, e a famosa Catedral. 

Burle Marx, é autor do paisagismo do Eixo Monumental e da Super-quadra 308 Sul, que foi construída como quadra modelo e está tombada pelo Iphan desde 2009. Ele projetou ainda os jardins do Palácio do Itamaraty e o Teatro Nacional entre muitos outros. 

A Alfredo Ceschiatti foram encomendadas diversas esculturas. As mais conhecidas talvez sejam "As banhistas", no Palácio da Alvorada; "A Justiça", no prédio do Supremo Tribunal Federal (STF); "Os anjos" e "Os evangelhistas", na Catedral Metropolitana de Brasília.

Além de Brasília, outras cidades, do Brasil e do mundo passaram, nos dez ou quinze anos seguintes, a ostentar obras dos artistas que participaram da construção da Pampulha. Acredita-se, inclusive, que a Igreja de São Francisco tenha sido responsável pela projeção de Oscar Niemeyer pelo mundo afora.




Igreja da Pampulha - Pampulha - Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil 



Texto: Sylvia Leite
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 
    Fotos: Marcelo Prates 

    Notas:

    • A Igreja de São Francisco passa atualmente por uma obra de restauração que tem conclusão prevista para junho.
    • Esta matéria contou com a consultoria do arquiteto Carlos Roberto Leite de Rezende.
    • A foto 5 (detalhe do mosaico de Paulo Werneck), realizada por Marcelo Prates, faz parte do livro do Concurso Internacional de Fotografia Oscar Niemeyer 100 anos, editado em Portugal.


    -------------------------------------------
    Gostou da matéria? Você pode deixar um comentário a seguir expressando sua opinião. E se quiser ajudar a aumentar a visibilidade do blog, é só divulgar esta postagem nas redes sociais. Basta  clicar, aqui abaixo, no ícone de sua rede preferida e compartilhar.

    Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:



    11 comentários:

    1. Interessante como as grande obras espalhadas pelo mundo foram, primeiro, rejeitadas e só então, com o tempo, é que as pessoas caíram de amores por elas...

      ResponderExcluir
    2. É impressionante mesmo, Soninha, esse medo do desconhecido. Obrigada pelo comentário. bjs

      ResponderExcluir
    3. Respostas
      1. Você vai gostar, Silvio. E Beagá agora tem ótimos museus e centros culturais. É uma viagem que vale a pena.

        Excluir
    4. Excelente escolha Silvinha.👏👏👏👏👏

      ResponderExcluir
    5. Excelente matéria, Sylvinha! Que belo passeio pela Pampulha e pela originalidade dos grandes mestres que a projetaram.
      Abraços
      Val Cantanhede

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Realmente é um belo passeio que não me canso de fazer rsrs.

        Excluir
    6. Excelente matéria, Sylvinha!
      Que belo passeio pela Pampulha e pela originalidade das obras dos grandes mestres que a projetada.
      Abraços
      Val Cantanhede

      ResponderExcluir
    7. Não sabia desta refeição inicial à igrejinha da Pampulha.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Pois é. Inacreditável! Com quem falo? Da próxima vez deixe seu nome, ok? Abraço.

        Excluir

    Obrigada por seu interesse em nossa postagem!