29/11/2018

Brodowski: a eterna casa de Portinari

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia LeiteA cidade tem pouco mais de 20 mil habitantes e, aparentemente, quase não difere de suas vizinhas. Mas é
ali, na pequena Brodowski, que se concentra praticamente toda história de Cândido Portinari, o pintor brasileiro que alcançou maior projeção internacional.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia LeiteEmbora tenha saído de casa aos 15 anos para estudar pintura no Rio de Janeiro, e vivido na França e no Uruguai (neste último, exilado), Candinho - como era chamado pelos mais íntimos - nunca desgrudou de sua terra natal. Foi nela que ensaiou os primeiros traços e foi em
torno dela, e do que presenciou ali, que girou quase toda sua obra, cuja temática oscila especialmente entre o cenário rural do interior, os temas históricos e a religião católica, adotada também por sua família.

Desde o final da década de 1960, a casa onde viveu sua infância, junto com as pinturas murais que fez nas paredes depois de adulto, está tombada pelas instituições de patrimônio histórico e artístico. No local funciona o Museu Casa de Portinari - um acervo de afrescos, têmperas e desenhos, além de objetos pessoais, utensílios domésticos e elementos arquitetônicos ou decorativos que revelam o universo do artista.

A vida em Brodowski


Cândido Portinari  nasceu na fazenda Santa Rosa, onde seu pai, imigrante italiano, trabalhava na lavoura de café, mas quase toda sua infância se passou na casa que virou museu. Por volta dos seis anos, o artista já desenhava: "eu fazia uma maçã, dentro da maçã fazia uma mesa e em cima da mesa punha outra maçã. Pintei isso não sei quantas vezes", contou ao amigo e biógrafo Antonio Callado.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia LeiteQuando ainda estava no grupo escolar, Portinari teve sua primeira experiência profissional. Foi como ajudante de um grupo de artistas que chegaram a Brodowski para decorar a igreja com a técnica de spolvero. Logo depois, conheceu um 'frentista' - chamado assim porque esculpia anjos em frente à igreja - e, trabalhando com ele, recebeu seu primeiro pagamento: um patacão de dois mil réis.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia Leite
Esse ambiente religioso acabou levando o artista à temática sacra, uma das mais presentes em sua obra, apesar do seu confessado ateísmo. Além de estar no centro de suas primeiras experiências artísticas, a religião fazia parte do dia a dia da família, especialmente da avó paterna, Pellegrina, para quem, mais tarde, ele construiu e pintou uma capela no jardim da casa.


De Brodowski para o mundo


Um de seus trabalhos mais famosos foi feito para uma igreja: a de São Francisco de Assis, na Pampulha. São 14 telas que descrevem a Via Crúcis. Portinari também é autor da pintura do altar-mor e do painel externo, feito em azulejos, que conta a história do santo.

Mas foram os temas rurais, especialmente os de cunho social ou histórico, que o tornaram famoso no mundo inteiro. Ele pintou os meninos de Brodowski, porque foi um deles. Pintou os lavradores de
café, nos quais se incluía seu pai e pintou também os retirantes porque não se conformava com as injustiças sociais. Chegou a ser candidato a deputado pelo partido comunista e conta-se que comemorou a própria derrota porque durante a campanha se deu conta de que não queria parar de pintar para ser político. Um pouco por essa filiação ao comunismo, e outro tanto por causa da maneira como retratou São Francisco ao lado de um cachorro, a obra de Portinari na Pampulha não foi aceita pelo arcebispo da época e passou anos sem ser utilizada
BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia Leitepara celebrações.

Entre as conquistas que marcaram sua carreira estão a menção honrosa para a tela Café, em uma exposição internacional do Carnegie Institute, de Pittsburgh, nos Estados Unidos (1935), a medalha de ouro do 
II Congresso Mundial de Partidários da Paz, realizado em Varsóvia 
(Polônia), pelo painel Tiradentes (1950) a medalha de ouro concedida pelo Internacional Fine-Arts Council, de Nova York, como o melhor pintor do ano (1955). 

Outro significativo momento de sua carreira foi a produção da obra Guerra e Paz, encomendada pelo governo brasileiro para a sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. Assim como as pinturas da Pampulha, esses enormes painéis são conhecidos de muitos. Se não ao vivo, pelo menos nas reproduções, que estão em livros, folhetos, sites e blogs. Mas talvez não seja tão grande o número de pessoas os que já tiveram acesso, em Brodowski, às pinturas murais preservadas na antiga residência da família e ao universo familiar no qual Portinari forjou sua arte.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia Leite O Museu Casa de Portinari


BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia LeiteO que primeiro se vê ao chegar ao local são os jardins, que eram cultivados por sua mãe, dona Domingas, e hoje conservam elementos da época em que os Portinari viviam ali - caso dos canteiros projetados pelo artista que formam a palavra Dio (Deus em Italiano).

Lá dentro, hábitos e gostos continuam a ser revelados. Pequenos cômodos exibem desde as partes sociais até as mais íntimas, como quartos e banheiros, passando pelo escritório onde ainda se pode ver muitos dos seus instrumentos de trabalho.

Fotografias e recursos eletrônicos ajudam no resgate histórico da carreira e da vida familiar.
BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia LeiteMostram que Portinari foi o segundo de 12 filhos e que sempre recebeu apoio de todos em seu desejo de ser artista. Revelam a lógica de uma casa construída ao longo dos anos, sem qualquer planejamento, ampliando-se de acordo com as necessidades e as possibilidades da família.

Nas portas e janelas, um azul escuro nos remete à cor que ganhou fama nas telas do artista e ficou conhecida como "Azul Portinari". As paredes exibem um total de vinte pinturas murais - dezessete do próprio Portinari e três de pintores amigos. Chamam grande atenção o perfil da avó materna Maria Torquato e a imagem de São Francisco.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia LeiteUm dos afrescos foi descoberto recentemente, durante as obras de restauração da casa, que duraram cerca de dois anos e revelaram quinze camadas de tinta em suas paredes. É uma madona segurando um menino Jesus. Depois de um longo estudo, chegou-se à conclusão de que a
autoria é mesmo de Portinari com a participação de um ajudante ainda não identificado.

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia Leite

O que mais impressiona, no entanto, é a Capela da Nonna presenteada à avó. É tão pequena que parece mesmo ter sido feita para uma só pessoa. Em compensação, toda a extensão de suas paredes está coberta por pinturas murais. São imagens de Jesus Cristo e dos santos preferidos de dona Pellegrina retratados com a aparência de amigos e familiares. São Pedro, por exemplo, teve como modelo Batista Portinari, o pai de do
artista.

Entre Brodowski e Batatais 


O Museu Casa de Portinari já seria motivo suficiente para a viagem, mas quem chaga até lá não pode perder a oportunidade de conhecer uma outra parte das cerca de 5 mil obras deixadas pelo artista. A primeira parada é a Capela de Santo Antônio, ainda em Brodowski, que exibe no altar uma enorme imagem do santo. O quadro foi doado por Portinari com a condição expressa, registrada no Termo de Doação, de que nunca saia da igreja. 

Na vizinha Batatais, que fica a menos de 20 km do Museu Casa, encontram-se mais 23 obras. É o maior acervo sacro do artista no qual se inclui uma Via Crucis pintada especialmente para decorar a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus da Cana Verde e o painel "Jesus e seus apóstolos", que decora o altar. Entre 2009 e 2013, as obras estiveram em risco
de decomposição por desgaste natural, infiltrações e ataques de cupins, mas depois de uma batalha judicial e 10 meses de trabalho, as obras foram restauradas e devolvidas à igreja.   

BLOG LUGARES DE MEMÓRIA- Matéria Brodowski - Foto Sylvia Leite
Igreja Matriz de Batatais - painel Jesus e seus apóstolos

Da pintura à poesia


Portinari sabia que seu meio de expressão era a pintura. Quando um médico tentou encorajá-lo a iniciar outra atividade longe das tintas, a fim de não agravar a contaminação por chumbo que acabou lhe tirando a vida, ele respondeu que se não fosse pintor, seria pintor. Por outro lado, sempre se declarou apaixonado pela poesia.

Ao ser entrevistado por seu amigo e biógrafo Antonio Callado, explicou assim o fato de Chagall ter sido o pintor que mais o fascinou quando morou na França: "A poesia sempre me venceu e Chagall é um pintor poético. Quando vejo um tema poético realizado em pintura fico com inveja."

De tanta paixão, acabaram saindo muitos versos. Alguns sobre as coisas, outros sobre ele mesmo:

Sou o fio d'água furtado
Pelas areias. Todas as coisas
Frágeis e pobres
Se parecem comigo.

Mas Portinari não estava mais aqui quando seus poemas foram editados pela Livraria José Olympio Editora, em 1964, com introdução de Antonio Callado, nota de Manoel Bandeira e um poema de Vinícius de Moraes.

Museu Casa de Portinari - Brodowski - São Paulo

Texto: Sylvia Leite 
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 
    Foto dos canteiros: Site do Museu
    Todas as outras fotos: Sylvia Leite


    Referências:

    Site: Museu Casa de Portinari

    Livros: 


    Retrato de Portinari, de Antonio Callado, editado pela Jorge ZAHAR Editor.
    Poemas, de Portinari, editado pela Livraria José Olympio Editora.

    -------------------------------------------
    Deixe um comentário a seguir e, se gostou, divulgue esta postagem em seus perfis nas redes sociais. Nos quadradinhos abaixo, você pode clicar em sua rede preferida e compartilhar diretamente.

    Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:

    Tilonia

    10 comentários:

    1. Adoro esse blog!
      Adorei a matéria! Vontade de ir pra Brodowski!

      ResponderExcluir
    2. Através de seu blog a gente toma intimidade com Porinari e seus lugares, quase como se fôssemos seus vizinhos, contemporâneos. E dá mesmo vontade de ir lá curtir, conferir. Parabéns, Sylvinha!

      ResponderExcluir
    3. Mais um texto gostoso de se ler, Sylvinha, com sabor de "quero mais". Muito bom conhecer peculiaridades da vida desse artista genial, que sempre valorizou suas origens humildes.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Obrigada! Pena que você não se identificou. Da próxima vez não esqueça de colocar seu nome ao final da mensagem.

        Excluir
    4. Que maravilha de roteiro. Este blog é minha agenda de viagens! Boralá.

      ResponderExcluir
    5. Damos pouco valor ainda aos nossos artistas. Vamos para museos na Europa e nos Estados Unidos e não pensamos em ir ao interior de Sao Paulo ver a obra de nosso genial Portinari. Que bom Sylvia esse resgate de seu texto.
      Augusta Leite Campos

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. É verdade, Gusta. Eu mesma sou um exemplo disso. Já fui a tantos museus no exterior e até a semana passada não conhecia o Museu Casa de Portinari. Mas agora estou redimida rsrrs

        Excluir