09/08/2018

Tilonia: um desafio de inclusão e desenvolvimento sustentável

Mahatma Gandhi acreditava que o conhecimento, as habilidades e a sabedoria encontrados nas aldeias podem ser usados para o seu próprio desenvolvimento antes que se busque soluções externas. O Barefoot College nasceu com base nesse princípio e foi ainda mais longe: incorporou tecnologia aos saberes locais e tornou-se um centro internacional de formação e desenvolvimento de produtos que ajudaram milhares de famílias a sair da pobreza extrema.
Blog lugares de memória - Matéria Tilonia - foto divulgação

O ponto central é a inclusão. Em Tilonia, as crianças estudam e os adultos são iniciados em tecnologias sustentáveis, especialmente as que proporcionam energia solar e aproveitamento de água da chuva. Quem já aprendeu, pode passar a executar, ensinando ou desenvolvendo produtos, e assim se conquista uma expansão do mercado de trabalho.

O projeto mantém ainda uma estrutura ampla que inclui desde um restaurante do tipo bandejão até um pequeno hospital. Roupas e bolsas de algodão são tecidas, confeccionadas e vendidas ali mesmo ou levadas para comercialização em outros pontos da Índia. E tudo isso é mantido e administrado por pessoas que aprenderam a trabalhar dentro da própria instituição.

Blog lugares de memória - Matéria Tilonia - foto Sylvia LeiteFiéis a Gandhi, eles priorizam os saberes locais e quando usam tecnologia sofisticada, o fazem de forma que funcione no nível da aldeia. Além disso, buscam garantir que o conhecimento dessa tecnologia esteja inteiramente nas mãos e no controle das comunidades pobres que a utilizam, para que as pessoas não se tornem dependentes ou exploradas.

Energia solar

O Barefoot College tornou-se mundialmente conhecido por formar engenheiras solares descalças. São mulheres de países do terceiro mundo que passam seis meses dentro da instituição aprendendo a construir e instalar aquecedores, fogões, dessalinizadores de água e sistemas de iluminação. Ao voltar para casa, tornam-se multiplicadoras da tecnologia e transformam suas comunidades.

Desde 2003, cerca de 18 mil famílias de 83 países, trocaram a lenha e o querosene por fogões e lâmpadas solares. Nas localidades onde a água é salobra, passaram a ter acesso a água potável. Com os equipamentos solares, 4.020 gramas de emissões de carbono foram evitadas. E quando você estiver lendo este texto, os números acima certamente já terão se multiplicado.

Blog lugares de memória - Matéria Tilonia - foto Sylvia Leite
Mulheres de El Salvador e da Costa do Marfim integravam 
a turma de aprendizes no momento da nossa visita.
Os integrantes do Barefoot College orgulham-se por atender 14 das 17 Prioridades de Desenvolvimento Susentável da ONU até 2030, que incluem questões-chave como eliminar a pobreza, fortalecer as mulheres, criar sustentabilidade ambiental e expandir as energias renováveis. Já quem visita o local*, pode orgulhar-se de ter ao menos entrado em contato com uma experiência tão viva.  

*O Barefoot College não é oficialmente aberto ao público e, pelo que pudemos perceber, não conta com uma estrutura física e de pessoal que permita receber visitas contínuas, mas se você quiser realmente conhecer o trabalho sócio-ambiental desenvolvido por eles, vale a pena tentar e, como nós, provavelmente será bem recebido.


Barefoot College/ Tilônia/ Rajastão/ Índia



Site oficial: Barefoot College 

--------------------------------------------
Deixe um comentário a seguir e, se gostou, divulgue esta postagem em seus perfis nas redes sociais. Nos quadradinhos abaixo, você pode clicar em sua rede preferida e compartilhar diretamente.

Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:

27 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Muito legal... Assim voce me instiga a querer conhecer o Norte da Índia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E naquela região tem também Taj Mahal e muitos outros 'lugares de memória' que aos poucos serão mostrados aqui. Fique ligado!

      Excluir
  3. Estimulante saber que iniciativas como esta existem e se multiplicam pelo mundo afora, promovendo o bem-estar e a promoção social dos menos favorecidos pelo nascimento. Sobretudo tendo origem num país de tá
    tantas desigualdades e odioso sistema de castas como a Índia. Dá esperança de que idéias como essa se espalhem por nosso sofrido País.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. Foi uma experiência inesquecível conhecer esse trabalho. Passamos o dia inteiro lá.

      Excluir
  4. Sem suas matérias, eu não teria oportunidade de descobrir todos esses lugares, e conhecer tantas coisas boas feita pelas pessoas , que se doam para melhorar o mundo. Parabéns e obrigada prima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço por ter você como leitora. Beijão

      Excluir
  5. Foi inesquecível está viagem! Obrigada por me fazer recordar❤

    ResponderExcluir
  6. Que maravilha de projeto, poderiámos. copiar para as nossas comunidades aqui no Brasil.

    ResponderExcluir
  7. Adorei conhecer Barefoot College na sua companhia Sylvia. Que lugar mágico mesmo. Lembro que você Marisa e eu ficamos deslumbradas com o trabalho desenvolvido alí, promovendo autonomia às mulheres e suas comunidades. Ótima lembrança. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Celia Regina Moraes Leme9 de agosto de 2018 16:59

    Adorei conhecer Barefoot College na tua companhia Sylvia. Que ligar mágico mesmo.Lembro.que ficamos deslumbradas com o robalo alí desenvolvido, promovendo a autonomia das mulheres e suas comunidades. Ótima lembrança. Beijos

    ResponderExcluir
  9. Estou encantada com o projeto das mulheres solares descalças...vou divulgar no meu site www.meioambientenews.com.br e no facebook...Parabéns e sucesso p essas mulheres guerreiras e sustentáveis!! Quero conhecer o projeto...

    ResponderExcluir
  10. Nossa! Que maravilha saber que exitem lugares como este. Um lugar de inclusão, de várias formas, inclusive uma que dá a oportunidade de se multiplicar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Elizete. E esta foi uma das razões pelas quais o trabalho passou a ser dirigido às mulheres. Inicialmente, convocaram os homens, mas eles não multiplicavam o conhecimento. Aí experimentaram com as mulheres e deu certo. Será que não contei isso na matéria? rsrsr vou checar hehehe

      Excluir
  11. Que projeto bacana, Silvinha! Você descobre coisas super interessantes! Fiquei impressionada com a eficácia deles. Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São muito eficazes mesmo. É uma experiência construída ao londo de anos. Obrigada pelo comentário, Bia, bjs

      Excluir
  12. Muito legal, Sylvinha! Um belo exemplo para todos nós!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Soninha. É um trabalho lindo. Emocionante!

      Excluir
  13. Super interessante as Engenheira descalças. O blog esta se revelando sensacional Silvinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou. Obrigada pelo comentário. Beijo

      Excluir