23/08/2018

Os Claustros: um passeio pela Idade Média em plena 'Big Apple'

Fotos de Marcelo Prates
Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova Iorque

Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova IorqueQuem já conhece ou ouviu falar em The Cloisters Museum (Os Claustros), pode até encarar sua existência com alguma naturalidade, mas mesmo para esses não deixa de ser impressionante imaginar que, em plena Nova Iorque, seja possível vivenciar a Europa medieval de maneira concreta, ao vivo, sem truques digitais. A aparente fantasia já é realidade desde os anos 20 do século passado, graças ao escultor norte-americano George Gray Barnard - que  levou dezenas de peças da França para Os Estados Unidos e criou, na própria Manhattan, o museu que deu origem à estrutura atual. 

Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova IorqueOs Claustros, como se conhece hoje, pertencem ao Metropolitan Museum of Art - MET, que assumiu a construção e manutenção do novo edifício, inaugurado em 1936, com financiamento do empresário John D. Rockefeller, Jr.. Estão plantados dentro do Fort Tryon Park, criado em terreno doado por Rockefeller, próximo ao edifício original, a cerca de 20 km do centro de Manhattan e atraem tanto interessados por arte e história como pessoas que buscam apenas momentos de tranquilidade, pois a sensação que se tem ali é de ter, inexplicavelmente, escapado da correria e do estresse do mundo em que vivemos.

Pelo menos três fatores contribuem para isso: a localização geográfica, a autenticidade dos ambientes e os jardins. Erguido em uma colina, à margem do Hudson, o museu oferece uma ampla vista tanto do rio como dos penhascos denominados New Jersey Palisades (Paliçadas de Nova Jersey) a partir de vários ângulos privilegiados. Em seu interior, a sensação é de ter
voltado no tempo. As cerca de 2.000 peças medievais estão distribuídas em espaços que reconstituem construções da época, com materiais e detalhes removidos de monastérios europeus e levados aos Estados Unidos especialmente para esse fim.
Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova IorqueOs jardins, plantados nos centros dos claustros, foram planejados com base em documentos ou obras de arte medievais e são compostos por ervas e flores que conquistam os sentidos do visitante, ora pelo aroma ora pelo apelo visual.

Jardins vivos 

Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova Iorque

O claustro, para quem não sabe, é o coração de um mosteiro. Costuma ser localizado no centro do edifício e é composto por um pátio a céu aberto, com ou sem canteiros, cercado por passagens cobertas, separadas da parte central por arcadas ou simples colunas.

Três dos quatro claustros que compõem o museu possuem jardins. O mais famoso é o Cuxa Cloister, construído com fragmentos do mosteiro beneditino de Saint-Michel-de-Cuxa, no Sudoeste da França, perto dos Pireneus e inesquecível pela presença marcante do cheiro de lavanda.

Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova IorqueMas o Bonnefont Cloister, localizado no nível inferior do edifício, talvez seja o que merece maior atenção por reunir, segundo informações do próprio MET, uma das coleções de plantas mais especializadas do mundo. São cerca  de 300 espécies de ervas e flores distribuídas em dezenove canteiros e organizadas por suas funções na culinária, medicina, magia e materiais artísticos. 

Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova IorquePara compor toda essa variedade, algumas sementes não disponíveis nas Américas tiveram que ser importadas da Europa. O jardim chama a atenção, também, por outros elementos medievais como os leitos erguidos e as cercas entrelaçadas. O nome deve-se ao fato de suas 21 colunas duplas, com delicados capitéis, terem sido retiradas de um mosteiro do século 13 localizado em Bonnefont, próximo a Tolouse, no Sul da França. 

O terceiro jardim reúne elementos 
do claustro do convento carmelita de Trie-en-Bigorre, perto de Toulouse e peças de outros monumentos da mesma região. Sua imagem remete aos prados e bosques, cobertos por flores e ervas, retratados em inúmeras obras de arte medievais, de modo especial nas Tapeçarias de Unicórnio, que converteram- se no conjunto artístico mais popular do museu.
Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova Iorque

Flores e símbolos


São sete enormes painéis que retratam a caça a essa fera mítica, com um único chifre na testa.
Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova IorqueAcredita-se que foram projetados por volta do ano 1.500, em Paris, e tecidos em algum lugar entre o Norte da França, o Sul da Holanda e Bruxelas. O significado dessas obras é motivo de muita discussão, mas parece haver um consenso sobre a ideia de que as tapeçarias contém um aspecto místico, pois sabe-se que na Idade Média o unicórnio era tido como símbolo de pureza e fertilidade,  relacionado à Cristo ou à Virgem Maria.

Grande parte dos registros atribui ao seu chifre poderes curativos. Em um dos painéis, o unicórnio encontra-se junto a uma fonte onde, em contato com seu chifre, ervas e frutos são purificados. Para alguns pesquisadores, os caçadores presentes nas sete tapeçarias seriam uma alegoria dos 12 apóstolos. 

As tapeçarias do Unicórnio, assim como o jardim do Trie Cloister, estão cobertas por vegetação e tornaram-se conhecidas como tapeçarias de 'millefleurs', ou tapeçarias de mil flores pelo fato de exibirem, por trás do tema principal, um fundo floral. Elas pertenceram originalmente a uma família francesa, de  sobrenome Rochefoucauldmas teriam sido roubadas durante um levante camponês e ficaram anos desaparecidas até serem descobertas em uma pequena propriedade camponesa, onde eram usadas para proteger a plantação das geadas.
Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova Iorque

Resgate histórico

Blog 'lugares de memória' Matéria sobre o The Cloisters Museum, de Nova IorqueAlém de preservar importantes obras artísticas e de oferecer a seus visitantes uma experiência sensorial bastante ampla da cultura medieval, o The Cloisters pode ser considerado veículo de um resgate histórico iniciado no século e19 e até hoje não concluído, no sentido de reabilitar a imagem desse período que, após o renascimento (século 16), passou a ser chamado de Idade das Trevas.

O próprio termo Idade Média, cunhado pelos iluministas, tinha também um caráter pejorativo, pois tratava o período compreendido entre a
Antiguidade Clássica e a retomada de seus valores estéticos como um hiato na evolução da humanidade. 

O motivo central do preconceito era o fato da cultura desses séculos não ter privilegiado a razão e da arte produzida pelos artistas da época ter forte motivação religiosa.


Os Claustros - Nova Iorque - Estados Unidos


Texto: Sylvia Leite
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 

Fotos: Marcelo Prates


--------------------------------------------
Deixe um comentário a seguir e, se gostou, divulgue esta postagem em seus perfis nas redes sociais. Nos quadradinhos abaixo, você pode clicar em sua rede preferida e compartilhar diretamente.

Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:

Tilonia

27 comentários:

  1. Olá Sylvia Leite e parabéns! Mais uma excelente viagem pelo mundo.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Como sempre um texto precioso e um passeio inusitado mostrando um lado quase que desconhecido de Nova York. Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Maravilha. Fotos perfeitas. Texto que nos leva a um passeio gostoso. Tudo perfeito. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço por mim e por Marcelo Prates, o autor das fotos.bjs

      Excluir
  5. parabéns, sylvia!texto e conteúdo 10!

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. Concordo com você. Marcelo Prates arrasa. Se puder, deixe seu nome.

      Excluir
  7. Silvinha que maravilha. Realmente é uma viagem no tempo. Lindo. Beijos, Aida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante, não é, Aida? Obrigada pelo comentário. Beijos

      Excluir
  8. Parabéns Sylvia Leite
    Delicioso esses passeios cheios de conhecimento,curiosidades e história que você nos proporciona através de seu blog. Até alguns lugares já visitado por nós, nos fez ter uma nova e enriquecida visão. Muito bom mesmo.
    Continue nos permitindo esses momentos delicioso de leitura e conhecimento desses lugares ricos em história e informações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Bom saber que está acompanhando. Beijos

      Excluir
  9. Ouvindo as belas canções pelo Arquivo Musical e apreciando um boa leitura por aqui Silvinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom saber que você continua um leitor assíduo. Bj

      Excluir
  10. . Parabéns Silvia pelo seu caprichado e fiel retrato deste claustros ( em Nova York !!) Conseguiu me transportar na minha terra onde ainda encontra se lindos e bem conservados claustros da Idade Média . Acho pena que está reconstituição seja proveniente da retirada de peças valiosas de antigos claustros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Brigitte. Você tem razão. Retirar peças de seus locais originais não é a melhor forma de construir museus. O ideal é que não se faça mais isso. Esse, aliás, é um tema bastante polêmico e dá uma boa discussão.

      Excluir
  11. Adorei a aula de história!👏👏👏

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Valtinho! Toda quinta tem postagem nova. Figue ligado! bj

      Excluir
  12. Que interessante viagem pelo tempo ! Vivendo e aprendendo ... obrigada Silvia !! 😘😘😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pela visita e pelo comentário. Bjs

      Excluir