30/08/2018

Arembepe: uma aldeia onde o Sonho ainda não acabou

Blog 'lugares de memória' - Matéria sobre Arembepe Foto: Sylvia LeiteOs Novos  Baianos não estão mais lá. Nem Tim Maia, nem Rita Lee. A aldeia já não recebe visitantes famosos como Janis JoplinMick Jagger, Keith Richards ou Roman Polanski. O lugar deixou de ser a morada dos sonhos de jovens rebeldes, e até a paisagem perdeu parte de seus encantos, mas nada foi capaz de destruir a memória daqueles anos de liberdade. 

Quem ouviu os Beatles, usou roupas indianas ou, de alguma forma, participou do movimento hippie, não consegue ficar indiferente a esse lugar que até hoje proíbe a entrada de carros, mantém o chão de areia e as crianças soltas na rua. Seja na gaita, no balanço, ou por meio de outro veículo qualquer, cada um encontra sua própria maneira se transportar para os tempos telúricos
Blog 'lugares de memória' - Matéria sobre Arembepe Fotos: Sylvia Leite


'Paz e amor'


A recordação nos leva às décadas de 1960/1970. Respaldados pelos efeitos da maconha, ácidos e plantas alucinógenas, 
como Beladona e Peiotejovens do mundo inteiro protestavam contra a violência, rejeitavam o consumismo e pregavam o amor livre. Tudo sob o lema "Paz e amor" e em sintonia com o neurocientista de Havard Timothy Learyque divulgava os benefícios terapêuticos e espirituais do  LSD.  

Praias e montanhas eram os locais escolhidos para acampamentos temporários ou moradias. Os que se instalavam permanentemente, assumiam um modo de vida comunitário, influenciado pela cultura oriental, com hábitos que incluíam do uso de incenso à prática da meditação. Os hippies vestiam camisas coloridas, roupas indianas, calças com boca de sino rasgadas naturalmente pelo uso. Inspiravam-se em uma estética psicodélica, que remetia a experiências místicas e transcendentais.

Blog 'lugares de memória' - Matéria sobre Arembepe Foto: Sylvia Leite

No auge dessa revolução de costumes, um espetáculo musical massificou a cultura hippie no mundo inteiro. "Hair"contava a história da "Tribo" - um grupo de cabeludos que se rebelaram contra a Guerra do Vietnã e faziam campanha contra o alistamento militar. Dois anos depois, o movimento foi coroado pelo festival mais famoso dos tempos modernos, realizado na vila norte-americana de Woodstock.

A aldeia de Arembepe foi o primeiro reduto hippie do Brasil. Quando os 'malucos' começaram a chegar, não havia ninguém por ali. Eles foram erguendo cabanas de palha ou aperfeiçoando palhoças deixadas por pescadores. Viviam em total liberdade, muitas vezes sem roupa, entre o mar, que se curvava em uma enseada, e o rio Capivara, que corria atrás das dunas. Comiam frutas e peixe frito. Tocavam, cantavam, faziam colares, conversavam e transavam longe da repressão política da Ditadura Militar que corria solta nas cidades, especialmente nas capitais. 

Ao lado de Goa, na Índia, e Machu Picchu, no Peru, Arembepe alcançou o status de uma das Mecas da Contracultura. Lembram os veteranos que Janis Joplin perambulou por suas praias com uma garrafa de cachaça nas mãos e se encantou com o lugar. O sentimento parece ter sido recíproco. Entre tantos nomes de visitantes famosos, o seu foi escolhido para batizar a vila.

Mick Jagger também deixou suas marcas nas areias de Camaçari. Conta-se que, junto com o guitarrista Keith Richards, chegou a comprar uma cabana na aldeia, conhecida como a Casa do Sol Nascente, e fez uma festa de reveillon que alguns consideram inesquecível, mas sua passagem por lá foi polêmica e, segundo alguns frequentadores, ele nunca se integrou verdadeiramente com os hippies da Bahia. Apesar de tudo, a foto de 1968 em que aparece tocando violão virou marco da fundação da aldeia. A justificativa é que, embora os hippies já estivessem ali há mais tempo, a foto de Jagger é o documento mais antigo.

Blog 'lugares de memória' - Matéria sobre Arembepe Foto: Sylvia Leite
Um museu a céu aberto


Blog 'lugares de memória' - Matéria sobre Arembepe Foto: Sylvia LeiteCinquenta anos se passaram. Nesse meio tempo, John Lenon decretou o fim do sonho e o mundo passou por enormes transformações. Alguns sonhos da época continuam vivos e foram absorvidos por movimentos mais recentes como a Permacultura, a Agrofloresta e as Ecovilas que além incorporar alguns princípios da Contracultura,  incluem também tecnologias alternativas e novas preocupações. Outros foram absorvidos e institucionalizados, dando origem a costumes sexuais mais flexíveis e a movimentos massivos de proteção ambiental ou contra a discriminação das minorias.

Mesmo sem o frescor dos anos 1960/1970, Arembepe consegue preservar pelo menos uma parte de sua filosofia original: paz, amor, vida simples e produtos artesanais. Mas se nos tempos de efervescência a aldeia pertencia apenas aos jovens rebeldes, hoje é considerada um patrimônio cultural da Bahia. Os hippies envelheceram e não vivem mais de frutas e peixes. A aldeia tem bares que vendem cerveja e refrigerante e os artesãos estão organizados em uma associação. Os colares, pulseiras e produtos de couro são vendidos principalmente aos turistas.

Muitos dos que passaram algum dia por alí, reuniram-se para preservar a memória do seu sonho de juventude e, fiéis aos princípios comunitários, escreveram um livro a 400 mãos (e 200 cabeças),
organizado pelo escritor e publicitário Luiz Afonso e pelo produtor cultural e publicitário Sérgio Siqueira, usando, para isso, uma página do Facebook. Também faz parte do movimento de preservação a realização de festas noturnas a céu aberto - os famosos 'luaus' - especialmente no verão.

A aldeia hippie pode não ser mais aquela, mas continua resistindo e já se transformou em um importante museu vivo da contracultura.


Aldeia Hippie de Arembepe - Camaçari - Bahia - Brasil



Texto: Sylvia Leite 
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 

Fotos: Sylvia Leite (atuais)
Obs: A foto de Mick Jagger pertence à Gettyimages e aparece no site Correio 24 horas como imagem liberada para divulgação.

Referência bibliográfica: Livro Anos 70 Bahia, de Luiz Afonso e Sérgio Siqueira (Edição impressa esgotada).

--------------------------------------------
Deixe um comentário a seguir e, se gostou, divulgue esta postagem em seus perfis nas redes sociais. Nos quadradinhos abaixo, você pode clicar em sua rede preferida e compartilhar diretamente.

Para ler sobre outros 'lugares de memória', clique nos links abaixo:


31 comentários:

  1. Boa reportagem e muitas recordações, desse tempo forte de mudanças da juventude. Muitos anos se passaram e vemos que a vida na aldeia continua viva, com aqueles que acreditam,0 e vivem felizes. Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria Helena. Adoro saber que você está aqui toda semana.

      Excluir
  2. Adorei! Realmente, traz muitas lembranças. Deu saudades de lá

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Silvinha.Apesar de não ter vivenciado isso, achei o máximo sua reportagem. Beijo, Aida Carrera

    ResponderExcluir
  4. Muito legal poder conhecer um pouco mais sobre o assunto. Adorei. Bjs.
    Lívia

    ResponderExcluir
  5. Mais uma vez surpreende, uma história muito boa, obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço por sua presença constante. Beijão!

      Excluir
  6. Beleza, Sylvinha! Sempre nos surpreendendo com suas histórias maravilhosas. E essa então que marcou uma época e a juventude rebelde que sonhava com um mundo só de paz e amor. Amei!

    ResponderExcluir
  7. Beleza, Sylvinha! Sempre nos surpreendendo com suas histórias maravilhosas. E essa então que marcou uma época e a juventude rebelde que sonhava com um mundo só de paz e amor. Amei!

    ResponderExcluir
  8. Morei em Salvador de 1977 a 1982. Nao havia mais o movimento Hippie, mas Arembepe era sinonimo de uma Praia maravilhosa e mais "deserta" e eu adorava essa combinacao. Quando ppdia ia desfrutar do lugar. Boas lembranças da Bahia. Realmente é um lugar de memórias. Parabéns Sylvia pela escolha ecletica dos lugares de memória. Aigusta Leite Campos

    ResponderExcluir
  9. CHEGUEI VERÃO 71/72a cidade fervia a ALDEIA SUPER LOTADA , resolvemos ficar do outro lado da vila, depois de DNA Seja no coqueiral la permaneci até 75, e vai no MUNDO Tivemos um rest. PerolaNegra, um dos moradores segue por la e MISSIVAL DOURADO foi no Sucruiu de Arembepe que vi as primeiras NAVES em 72.SALVE SALVE BAHIA a bênção AREMBEPE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve! Belo depoimento. Experiência viva. Só faltou deixar o nome. Se puder se identificar, vai ser legal. Valeu!

      Excluir
  10. Viajei com suas palavras para um tempo que nao tive a oportunidade de vivenciar ss ouvir falar. Mas em sua matemat parecia que estava dentro desta Vila que hoje pode nao ter mais nenhum famosos mas continua mágica. "....Cantava Viva à Liberdade...." Engenheiros do Hawaii
    ParabePa!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OlO amiga, aqui e a Cassandra não poderia deixar de opinar sibre sua brilhante matéria
      ✍Viajei com suas palavras para um tempo que nao tive a oportunidade de vivenciar ss ouvir falar. Mas em sua matemat parecia que estava dentro desta Vila que hoje pode nao ter mais nenhum famosos mas continua mágica. "....Cantava Viva à Liberdade...." Engenheiros do Hawaii
      Parabéns!!!!

      Excluir
    2. Obrigada, Cassandra. Fico feliz que tenha gostado. Toda quinta tem matéria nova. Espero que se torne uma leitora assídua.

      Excluir
  11. Muito boa matéria, Sylvia. Viajei no tempo, como muitos dos que a leram. Nunca estive lá mas já guardei Arembepe nas minhas boas lembranças. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Leila! Toda quinta tem matéria nova. A de hoje é sobre um ritual indiano. Beijos

      Excluir