03/05/2018

Canudos: memória de um sonho que o açude não afogou

Blog lugares de memória - Matéria Canudos - foto Sylvia LeiteO povoado de Belo Monte, ou Arraial de Canudos, na Bahia, foi destruído há mais de um século e suas terras estão debaixo d'água há quase 60 anos, mas a violência da guerra e o sonho de liberdade de Antônio Conselheiro ficaram impregnados na paisagem da região.

No local onde ocorreram os combates, um museu a céu aberto expõe os contrastes que definiram o começo, o meio e o fim da curta história do povoado. A transparência dos painéis nos faz suplantar a objetividade das cenas e enxergar, através delas, a aridez do terreno e a crueza dos fatos.

Blog lugares de memória - Matéria Canudos - foto Sylvia LeiteSobre o chão de terra vermelha, ainda é possível encontrar, tanto tempo depois, um ou outro vestígio das balas usadas no massacre.


Antônio Conselheiro 


A história Canudos se confunde com a de seu líder e ambas estão envoltas em muitas histórias, verdadeiras ou nem tanto. O cearense Antônio Vicente Mendes Maciel, conhecido como Antônio Conselheiro, virou lenda no Nordeste e circulava sobre ele todo tipo de boato.

Era tido por muitos como fanático, messiânico e subversivo por  acreditar que a República profanava a Igreja Católica e era a materialização do reino do Anti-Cristo na terra. Chegou a ser preso e torturado, acusado injustamente de matar a ex-mulher, mas conseguiu provar sua inocência.

Blog lugares de memória - Matéria Canudos - foto Sylvia LeiteJá para os sertanejos que enfrentavam seca, fome, trabalho extenuante e cobrança de impostos pela força, ele representava a salvação a única esperança de uma vida menos injusta. 

Conselheiro era filho de um pequeno proprietário de terras e foi criado em convívio com a Igreja Católica, por isso conseguiu ser alfabetizado e falava Latim. Trabalhou como professor, comerciante e escrivão, mas sua incursão pelo Brasil oficial termina aí. Ainda jovem saiu em peregrinação, assumindo um comportamento que desafiava simultaneamente a Igreja Católica e o Governo Republicano. 

Na vida religiosa, ignorou a hierarquia e as formalidades, passando a agir por conta própria. Enquanto os sacerdotes da época rezavam missa em Latim e de costas para os fiéis, Conselheiro se misturava ao povo, pregando em Português, usando linguagem popular e se fazendo entender por todos. Seus seguidores eram lavradores, ex-escravos, ex-prostitutas e povos indígenas.  

Blog lugares de memória - Matéria Canudos - foto Sylvia Leite
Antes de fundar a cidadela de Belo Monte, ele peregrinou quase vinte anos pelo sertão nordestino, construindo igrejas, cavando açudes e oferecendo àquela gente sofrida a possibilidade de viver livre em algum pedaço de terra.

Belo Monte 


Ao chegar à região de Canudos, em 1893, se estabeleceu com seu povo à margem do Vaza-Barris e formou uma comunidade que chegou a reunir 5 mil e 200 casebres e aproximadamente 25 mil moradores e o sonho tornou-se realidade pelo curto período de três anos. 

Blog lugares de memória - Matéria Canudos - foto Sylvia LeiteA mobilização de Conselheiro ameaçou os dogmas e esvaziou as fazendas, provocando a fúria dos dois setores, que junto à imprensa passaram a exigir do governo uma tomada de posição. Para alcançar esse objetivo, teriam difundido a informação, nunca confirmada, de que os moradores de Canudos estariam se preparando para atacar cidades vizinhas e o próprio governo federal, com o fim de re-estabelecer a monarquia.

 Uma desavença entre Conselheiro e um comerciante da região teria precipitado o primeiro ataque do governo, que esperava vencer facilmente. Estava enganado. Seriam necessárias quatro expedições militares, ao longo de um ano, para que o Arraial de Canudos fosse finalmente exterminado e seus moradores friamente massacrados.

Depois da destruição, em 1897, a vila foi lentamente reconstruída. Na década de 1960, o Governo Federal mandou represar o Vaza-Barris e Canudos submergiu sob o Açude de Cocorobó. A poucos quilômetros dali foi erguida outra cidade, que não guarda qualquer semelhança com a Canudos original, mas abriga o Memorial Antônio Conselheiro, que possui informações complementares às do museu a céu aberto, batizado como Parque Estadual de Canudos
Blog lugares de memória - Matéria Canudos - foto Sylvia Leite

Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a história, resistiu até ao esgotamento completo. Expugnado palmo a palmo, na precisão integral do tempo, caiu no dia 5, ao entardecer, quando caíam seus últimos defensores, que todos morreram. Eram quatro apenas: um velho, dois homens feitos e uma criança, na frente dos quais rugiam raivosamente 5 mil soldados. (Euclides da Cunha)


AVISO:
Você acaba de ler a matéria Canudos 1. Leia também Canudos 2 que conta a história da arara-azul-de-lear e da Reserva Biológica de Canudos.

Canudos - Euclides da Cunha - Raso da Catarina - Bahia - Brasil


Texto: Sylvia Leite 
Jornalista - MTB: 335 DRT-SE / Linkedin / Lattes 

Fotos: Sylvia Leite
Referências bibliográficas:
Os Sertões, de Euclides da Cunha - clique aqui para baixar o livro
A Guerra do Fim do Mundo, de Mário Vargas Llosa

Outras referências:
Parque Estadual de Canudos  
Memorial Antônio Conselheiro 
-----------------------------------------------------
Deixe um comentário a seguir e, se gostou, divulgue esta postagem em seus perfis nas redes sociais. Nos quadradinhos abaixo, você pode clicar em sua rede preferida e compartilhar diretamente.

32 comentários:

  1. Muito bom, Sylvinha!!! Continue resgatando e recontando essas histórias, revolvendo as nossas raízes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Soninha, continuarei. Toda quinta tem história nova. beijos

      Excluir
    2. Fico tão contente qdo (ainda) sou surpreendida logo cedo por estes textos ! Bjos

      Excluir
    3. Que bom, Mercedinha! Toda quinta tem texto novo. Não perca! Beijos

      Excluir
  2. Fantástico, simplesmente fantástico, relembrei quando passei por lá indo para Cocorobo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Marcelo. Bom ouvir isso de quem conhece. Prova de que estou conseguindo captar a realidade dos lugares rsrs. Esta é uma preocupação constante.

      Excluir
  3. Silvinha que maravilha podermos conhecer essas histórias através dos seus olhos. Todas as vezes que leio seus textos tenho vontade de ir ao local. Mais uma vez você está de parabéns. Aida Carrera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Aida. Espero que vá a todos esses lugares. Vale a pena. Beijos.

      Excluir
  4. Parabéns pelo Texto Sylvia! Seu texto oportuniza uma reflexão sobre a força do estado contra os movimentos sociais. Nem mesmo o represamento da água na tentativa de apagar os vestígios da história e do massacre que viveu Canudos, foi suficiente para apagar com essa triste página de nossa história. Isso faz nos voltar ao que estamos vivendo hoje, com a perseguição a Lula, a Dilma e aos partidos comprometidos com as forças populares! O que os DONOS DO PODER no futuro vão tentar fazer para apagar essa outra página negra de nossa história?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Nairson. É bom saber que meus textos estão resgatando memórias, despertando desejos e provocando reflexões. Era isso mesmo que eu pretendia e parece que deu certo. Pelo menos até agora. Quinta-feira tem mais. Não esqueça! Beijos

      Excluir
  5. Realmente muy interesante! No conocía esa historia tan rica y triste más aún genera la esperanza en nuestros pueblos. Gracias!!! Abrazo desde Uruguay

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muchas gracias, Liliana. Que vuelvas aqui todos los jueves y que desfrute!

      Excluir
  6. Como sempre um texto claro e oportuno resgatando um pedaço da nossa história. Mais uma vez parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Neilton, por sempre estar por aqui. Grande abraço! Quinta tem mais.

      Excluir
  7. Belo texto, Sylvia, conciso e informativo. E ainda teve o bom gosto de citar um grande mestre do nosso idioma, Euclydes da Cunha.
    Carlos.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns, Sylvia, pelo texto! Obrigada! Quero muito ir lá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei de quem é o comentário, pena, veio sem assinatura. Obrigada e se puder se identifique. E faça mesmo a viagem. Vale a pena.

      Excluir
  9. Sensacional, Sylvia! Foi uma lembrança da nossa história. Com um texto muito claro, fica mais fácil de visualizar as cenas históricas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal, Eli, obrigada. Volte sempre. Todas as quintas tem postagem nova. Beijos.

      Excluir
  10. Belíssimo texto, Sylvia. Seu blog está maravilhoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Vi. Que bom que está gostando. Toda quinta tem conteúdo novo. Volte sempre! E se puder, ajude a divulgar. Beijos

      Excluir
  11. Preciso conhecer Canudos, memorial da resistência à exploração do homem pelo homem.
    Bela descrição para tempos difíceis como estamos atravessando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um lugar impressionante. Passei anos querendo ir e finalmente aconteceu. Vale a pena!

      Excluir
  12. Parabéns Sylvinha!!! Estou aguardando ansiosa pelos próximos textos.
    Marta Carrera

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Marta. Feliz por você estar aqui todas as quintas. Beijos.

      Excluir

      Excluir
  13. Este lugar eu ja fui e gostei imensamente. Ja havia lido A Guerra do Fim do Mundo e reli para rememorar.Comprei os sertoes para ler de quem esteve la. Mas Canudos tem mais história. Para os observadores de aves temos a linda e epica história das "Araras Azuis de Lear" que somente sao encontradas la e num resgate da vida foram salvas da extincao. Augusta Leite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história das "Araras Azuis de Lear" está na minha lista, Gusta, e espero contar com sua ajuda para fazer a matéria. Beijos

      Excluir
  14. Eliana Gonçalves7 de maio de 2018 17:04

    Uma parte da história brasileira! Gratidão

    ResponderExcluir
  15. Li os Sertões de Euclides da Cunha e ao visitar o Raso da Catarina muitas passagens dos 'Sertões' me vinham como um filme na cabeça. Obrigada por sua postagem, pois ao ler, revivi aquele momento. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lugares de Memória14 de maio de 2018 21:10
      Fico muito feliz quando as postagens deste blog despertam desejos ou resgatam memórias. Essa é a ideia. Que bom que está dando certo. Obrigada pelo retorno. Beijo.

      Excluir